Reconfiguração da atividade profissional do educador de adultos – o reconhecimento e validação de adquiridos experienciais

Resumo

O texto visa analisar a atividade profissional do educador de adultos, em Portugal, num contexto de políticas públicas de adultos pouco escolarizados, centradas no reconhecimento e na validação de adquiridos experienciais. A análise é suportada numa investigação qualitativa, realizada entre 2001 e 2009. Os dados empíricos resultaram de entrevistas semidiretivas e de entrevistas biográficas com educadores de adultos e com adultos, envolvidos neste processo. Os resultados da investigação permitem afirmar que o caráter pioneiro e a complexidade do processo de reconhecimento e validação de adquiridos experienciais originaram uma reconfiguração da atividade profissional do educador de adultos, no que respeita às suas funções.

 

Palavras-chave: Educador de adultos; Reconfiguração da atividade profissional; Reconhecimento e validação de adquiridos experienciais

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carmen Cavaco, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Doutorada em Ciências da Educação/Formação de Adultos, é professora no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e investigadora na UIDEF. Leciona e desenvolve investigação nos seguintes domínios: formação experiencial, educação não formal e educação informal, políticas públicas de educação e formação de adultos, adultos não escolarizados e adultos pouco escolarizados, reconhecimento e validação de adquiridos experienciais e investigação biográfica. 

Referências

ALLEA. The European Code of Conduct for Research Integrity. Revised Edition. Berlim: All European Academies, 2017.

AUTOR, 2009 [inserir referência, regra revisão cega]

CANÁRIO, R. Educação de Adultos. Um campo e uma problemática. Lisboa: EDUCA, 1999.

CASPAR, P. Ser formador nos dias que correm – novos actores, novos espaços, novos tempos. Sísifo. Revista de Ciências de Educação, Lisboa, 2, p.87-94, 2007.

CNE (2013). Estado da Educação 2012. Autonomia e descentralização. Lisboa: CNE.

DEJOURS, C. Travail vivant 2: Travail et émancipation. Paris: Payot.

DELORY-MOMBERGER, C. (2019). Recherche biographique en éducation. In: Delory-Momberger, C. (Dir.), Vocabulaire des Histoires de Vie et de la Recherche Biographique. Paris : Téraèdre, 2019. p.250-256.

FREIRE, P. A importância do ato de ler. Em três artigos que se complementam. 39ª ed. São Paulo: Cortez Editora, 2000.

JOBERT, G. Les difficiles questions adressées par la VAE à l´analyse du travail. In: Rozario, P. (Dir). Enjeux politiques et systèmes de reconnaissance des apprentissages. Actes du Colloque Européen. Tome 2. Paris : CNAM, 2005. p.7-15.

JOSSO, M.-C. Formação de Adultos. Aprender a viver e a gerir as mudanças. In: CANÁRIO, R.; CABRITO, B. (Org.). Educação e Formação de Adultos. Mutações e convergências. Lisboa: Educa, 2005. p.115-125.

LECLERCQ, V. La professionnalisation du formateur spécialisé en formation de base. Education Permanente, Paris, 164, 3, p. 105-118, 2005.

LESNE, M. La formation des formateurs d´adultes. In: DEBESSE, M.; MIALARET, G. (coord.). Traité des sciences pédagogiques. Paris: Puf, 1978. p.229-278.

LIÉTARD, B. Être formateur. Identifier des incontournables. Se professionnaliser. Lyon : Chronique Sociale, 2014.

MOHAJAN, H. K. Qualitative Research Methodology in Social Sciences and Related Subjects. Journal of Economic Development, Environment and People, Bucharest, v.7, n.1, p. 23-48, 2018.

MORIN, E. La voie. Pour l´avenir de l´humanité. Paris: Fayard, 2011.

PAILLÉ, P. Herméneutique. In: DELORY-MOMBERGER, C. (Dir.). Vocabulaire des histoires de vie et de la recherche biographique. Toulouse: Éditions Érès, 2019. p.222-224.

PINEAU, G. La reconnaissance des acquis : deux idées simples qui posent des problèmes complexes. In: PINEAU, G. ; LIÉTARD, B. ;

CHAPUT, M. (Coords.). Reconnaître les acquis. Démarches d´exploration personnalisée. Paris : L´Harmattan, 1997. p.11-17.

RICOEUR, P. Devenir capable, être reconnu. Esprit, Paris, p.125-129, 2005.

ROSE, N. Powers of freedom: reframing political thought. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

SPCE. Instrumento de regulação ético-deontológica. Carta ética. Porto: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação, 2014

Publicado
2020-08-31
Como Citar
Cavaco, C. (2020). Reconfiguração da atividade profissional do educador de adultos – o reconhecimento e validação de adquiridos experienciais. Horizontes, 38(1), e020038. https://doi.org/10.24933/horizontes.v38i1.1000
Seção
Seção Temática: Docência(s) na educação de pessoas jovens, adultas e idosas