Temporalidade, envelhecimento e linguagens tecnológicas: educação e emancipação na contemporaneidade

  • Carla da Silva Santana Castro Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.
  • Claudia da Silva Santana Universidade Metodista de Piracicaba https://orcid.org/0000-0001-9371-1669
  • Marina Soares Bernardes Programa de Pós-Graduação Interunidades Bioengenharia, EESC/FMRP/IQSC - Universidade de São Paulo

Resumo

Este artigo discute as relações entre temporalidade, envelhecimento e linguagens tecnológicas, compreendendo que os processos de emancipação humana na contemporaneidade se articulam ao domínio e capacidade de comunicar e produzir linguagem em novas configurações e ambientes da cultura digital. Resultado de estudo teórico e revisão da literatura, o texto traz reflexões sobre a educação de idosos no cenário da cibercultura. Pressupõe o conhecimento da tecnologia como importante instrumento para a interação e comunicação do indivíduo idoso, bem como desempenhar tarefas cada vez mais complexas e vinculadas às tecnologias de informação e comunicação. O papel da educação formal e não formal é analisado a fim de mostrar a relevância desses espaços para os processos de emancipação humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla da Silva Santana Castro, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.
Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano; PhD, pela University of Oxford;  Mestre em Educação; Terapeuta Ocupacional.
Claudia da Silva Santana, Universidade Metodista de Piracicaba
Doutora em Comunicação e Semiótica: Intersemiose na Literatura e nas Artes pela PUC/SP; Mestre em Educação e Licenciada em Pedagogia pela UNIMEP. Atua como docente no Programa de Pós-Graduação em Educação da UNIMEP.
Marina Soares Bernardes, Programa de Pós-Graduação Interunidades Bioengenharia, EESC/FMRP/IQSC - Universidade de São Paulo
Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação Interunidades Bioengenharia, EESC/FMRP/IQSC - Universidade de São Paulo Mestre em Ciências;Terapeuta Ocupacional.

Referências

BEAUVOIR, S. A velhice [recurso eletrônico]. Trad. Maria Helena Franco Martins. 3a ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2018.

BRASIL. Lei no 10.741, de 1 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial da União, 3 out. 2003. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.741.htm>.

BRASIL. ______. Lei no 8.842, de 4 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a Política Nacional do Idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 5 jan. 1994. Disponível em: <http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/leis/l8842.htm>.

CACHIONI, M.; TODARO, M.: Política Nacional do Idoso: reflexões acerca das intenções direcionadas à educação formal. In: ALCÂNTARA, A.; CAMARANO, A.; GIACOMIN, K. (Orgs.) Política Nacional do Idoso: novas e velhas questões. Rio de Janeiro: IPEA, 2016.

CAMARANO, A. Introdução. In: ALCÂNTARA, A.; CAMARANO, A.; GIACOMIN, K. (Orgs.) Política Nacional do Idoso: novas e velhas questões. Rio de Janeiro: IPEA, 2016.

EUROPEAN COMISSION. Innovation for Active & Healthy Ageing, 2015. Disponível em: ec.europa.eu/ageing-summit-2015. Acesso em 30 de jun. 2018.

FERRIGNO, J. C. O idoso como mestre e aluno das novas gerações. In: ALCÂNTARA, A.; CAMARANO, A.; GIACOMIN, K. (orgs.) Política Nacional do Idoso: novas e velhas questões. Rio de Janeiro: IPEA, 2016.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 60ª ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2019.

IBGE (2016). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em:https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2016/estimativa_dou.shtm. Acesso em 02 Jun. 2017.

MARQUES, D. T.; PACHANE, G. G. Formação de educadores: uma perspectiva de educação de idosos em programas de EJA. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 475-490, maio/ago. 2010.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. Trad.: Reginaldo Di Pietro. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1971.

RAYMUNDO, T. M.; SANTANA, C. Percepção de idosos acerca das novas tecnologias. Inteligência Artificial, v. 18, pp. 12-25, 2015.

SANTANA, C.; BERNARDES, M.; MOLINA, A. Projetos de vida na velhice. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento: Porto Alegre: UFRGS, v. 21, n. 1, pp. 171-186, 2016.

SOUSA-GUIDES, A. C. N.; LODOVICI, F. M. M. O Idadismo/Ageísmo sob a escuta dos idosos: efeitos de sentido e a utopia de um novo envelhecer. In: LODOVICI, F. M.M. (Org.). Envelhecimento e Cuidados – uma chave para o viver. São Paulo: Portal Edições, 2018, pp. 175-210.

WOOLRYCH, R. Ageing and technology: creating environments to support an ageing society (keynote). Gerontechnology, v.15, n.2, pp. 65-97, 2016.

Publicado
2020-08-31
Como Citar
Castro, C. da S. S., Santana, C. da S., & Bernardes, M. S. (2020). Temporalidade, envelhecimento e linguagens tecnológicas: educação e emancipação na contemporaneidade. Horizontes, 38(1), e020045. https://doi.org/10.24933/horizontes.v38i1.977
Seção
Seção Temática: Docência(s) na educação de pessoas jovens, adultas e idosas