As políticas de combate ao analfabetismo no Brasil: continuidades e descontinuidades

Resumo

Esta pesquisa investigou programas de analfabetismo em diferentes governos. Para organização dos achados, realizamos duas etapas. Na primeira, procedeu-se ao mapeamento dos documentos das políticas contra o analfabetismo. Na segunda, a análise geral para identificar o público, a proposta e a concepção de alfabetização. Compreendemos, a partir da análise dos dados, que os programas referentes ao analfabetismo, por muitos anos, foram direcionados ao público de jovens e de adultos. Apenas nas últimas décadas, tais políticas dedicaram-se à obrigatoriedade da alfabetização a partir dos anos iniciais. Houve muitas descontinuidades e poucas continuidades, provocando de forma intencional, a falta de acesso das camadas mais pobres da população ao conhecimento sistematizado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Sandra Cristina Vanzuita da Silva, Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI

Possui graduação em Pedagogia, Mestrado e Doutorado em Educação pela Universidade do Vale do Itajaí. Atualmente é professora do Programa de Mestrado e Doutorado em Educação e do curso de Pedagogia. Leciona as disciplinas de Jogos e Brincadeiras na Infância e Estágio Supervisionado: Pesquisa da Prática Pedagógica. É Coordenadora da Educação Básica na Vice Reitoria e Membro do Conselho Superior da mesma Universidade. Tem interesse em pesquisas que tratem da formação inicial e continuada dos professores, Educação Infantil e Anos Iniciais, propostas curriculares e metodológicas para a Educação Infantil e Anos Iniciais. É pesquisadora do Grupo de Pesquisa Contextos da Educação da Criança.

 
Valéria Silva Ferreira, Universidade do vale do Itajaí - UNIVALI
Possui graduação em Curso de Pedagogia pela Universidade do Vale do Itajaí (1988), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (1997) e doutorado em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2002). É titular da Universidade do Vale do Itajaí, atua no curso de Pedagogia e no Mestrado/Doutorado em Educação. Lidera o grupo de pesquisa Contextos da educação da criança. (Texto informado pelo autor)
Rosiani Fabricia Ribeiro Boeing, Universidade do vale do Itajaí - UNIVALI

ossui graduação em Pedagogia pela Universidade do Contestado (2007), especialização em práticas pedagógicas e gestão escolar pela Associação Catarinense de Ensino - ACE (2007), e mestrado pelo Programa de Pós Graduação da Universidade do Vale do Itajaí - Univali (2016). Atualmente é professora da Prefeitura Municipal de Garuva. Tem experiência na área de Educação Infantil e Séries iniciais do Ensino Fundamental. Mais específico em séries de primeiros anos e pré escolar.

 

Referências

ALFERES, M. A.; MAINARDES, J. Formação Continuada de Professores Alfabetizadores: uma avaliação do Programa Pró-Letramento. Meta: Avaliação, Rio de Janeiro, v. 4, n. 10, p. 1-27, jan./abr. 2012.

ANDRADE, C. S. de. Concepções de alunos do Curso de Pedagogia da UFRN acerca da natureza da ciência: subsídios à formação de professores. 2008. 181 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2008.

ARAÚJO, R. T. de. A igreja católica e a política: reflexões sobre instituições e poder. Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados, 2009. Disponível em: http://docplayer.com.br/731456-A-igreja-catolica-e-a-politica-reflexoes-sobre-instituicao-e-poder.html. Acesso em: 3 jun. 2019.

BEISIEGEL, C. de R. Paulo Freire. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Massangana, 2010.

BRASIL, C. C. História da alfabetização de adultos: de 1960 até os dias de hoje. 2005. Disponível em: http://www.ucb.br/sites/100/103/TCC/12005/CristianeCostaBrasil.pdf. Acesso em: 25 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa Brasil Alfabetizado – NOVO. Brasília: SECAD – Educação Continuada. 2003. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/institucional-o-mec/194-secretarias-112877938/secad-educacao-continuada-223369541/17457-programa-brasil-alfabetizado-novo. Acesso em: 12 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Pró-Letramento: Programa de formação continuada de professores dos anos/séries iniciais do ensino fundamental: Guia geral. Brasília: MEC/SEB, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: documento orientador das ações de formação continuada de professores alfabetizadores em 2015. Brasília: MEC/SEB, 2015a. Disponível em: http://pacto.mec.gov.br/images/pdf/Formacao/documento_orientador_2015_versao_site.pdf. Acesso em: 12 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Alfabetização. PNA - Política Nacional de Alfabetização. Brasília: MEC, SEALF, 2019.

BRASIL. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Entendendo o Pacto. 2015b. Disponível em: http://pacto.mec.gov.br/o-pacto. Acesso em: 3 jun. 2019.

BRASIL. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. O Brasil do futuro com o começo que ele merece. 2011. Disponível em: http://pacto.mec.gov.br/images/pdf/pacto_livreto.pdf. Acesso em: 3 jun. 2019.

BRASIL. Parecer CNE/CEB No 11, de 10 de maio de 2000. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília: Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Básica, [2000]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/eja/legislacao/parecer_11_2000.pdf. Acesso em: 15 set. 2019.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Programa de formação de professores alfabetizadores. Brasília: MEC/SEF, 2001.

CATENACCI, V. Cultura popular: entre a tradição e a transformação. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 28-35, 2001.

FÁVERO, O. MEB – Movimento de educação de base: primeiros tempos: 1961-1966. 2004. Disponível em: http://forumeja.org.br/files/meb_historico.pdf. Acesso em: 12 out. 2019.

FEITOSA, S. C. S. Das grades às matrizes curriculares participativas na EJA: os sujeitos na formulação da mandala curricular. 2012. 242 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

FERRARO, A. R. História inacabada do analfabetismo no Brasil. São Paulo: Cortez, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da Liberdade. 14. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

FREIRE, P. 1921-1997 - Cartas a Cristina: reflexões sobre minha vida e minha práxis. Organizações e notas Ana Maria Freire. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

GHIRALDELLI JÚNIOR, P. História da Educação Brasileira. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

GONÇALVES, E. (Coord.). Alfabetização Solidária, 13 anos – percursos e parcerias. São Paulo: Alfabetização Solidária, 2009.

GONTIJO, C. M. M. Alfabetização: políticas mundiais e movimentos nacionais. Campinas, SP: Associados, 2014.

MANRIQUE, A. L. Processo de Formação de Professores em Geometria: mudanças em concepção e práticas. 2003. 169 f. Tese (Doutorado em Psicologia da Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

NASSER, A. C. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. 4. ed. Florianópolis: Vozes, 2014.

NOFUENTES, V. C. Um desafio do tamanho da nação: a campanha da Liga Brasileira Contra o Analfabetismo (1915-1922). 2008. 164 f. Dissertação (Mestrado em História Social da Cultura) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

OLIVEIRA, B. L. Educação no Campo: Mobral no meio rural de Uberlândia Uberlândia/MG (1970-1985). 2011. 150 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2011.

PAIVA, V. P. Educação Popular e educação de adultos. São Paulo: Loyola, 1987.

RIBEIRO, V. M. Analfabetismo e analfabetismo funcional no Brasil. Reescrevendo a Educação, 2006. Disponível em: http://www.ipm.org.br/pt-br/conhecimento/artigosepapers/Artigos/2006_04_18_Analfabetismo%20e%20Analfabetismo%20Funcional%20no%20Brasil_Vera%20Masag%C3%A3o.pdf. Acesso em: 25 abr. 2019.

SCHARF, D. M. Avaliação da aprendizagem em um programa de EJA: o processo de elaboração de uma prática pedagógica. 2006. 107 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2006.

SILVA, S. da. Panorama histórico do MOBRAL: operacionalização no município de Araras. 2012. 260 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2012.

YANAGUITA, A. I. As políticas educacionais no Brasil nos anos 1990. São Paulo: Associação Nacional de Políticas e Administração Escolar – ANPAE, 2011. Disponível em: http://www.anpae.org.br/simposio2011/cdrom2011/PDFs/trabalhosCompletos/comunicacoesRelatos/0004.pdf. Acesso em: 10 maio 2019.

Publicado
2020-12-30
Como Citar
Vanzuita da Silva, S. C., Ferreira, V. S., & Ribeiro Boeing, R. F. (2020). As políticas de combate ao analfabetismo no Brasil: continuidades e descontinuidades. Horizontes, 38(1), e020057. https://doi.org/10.24933/horizontes.v38i1.1041