Conhecer no/pelo sofrer: a vítima como sujeito no testemunho e na transgressão

Resumo

O sofrimento social, evento crítico que afeta o cotidiano de um grupo social, provoca uma inflexão no modo como a vítima conhece a realidade. Veena Das denomina “conhecimento envenenado” a permanência da violência na subjetividade que modifica o imaginário e os horizontes de compreensão da vida. Articulando a dimensão social e individual do processo formativo humano, provoca a Filosofia da Educação a refletir sobre as relações entre apostas éticas e a sujeiticidade da vítima. No encontro de teorias pós-colonial e descolonial, propõe-se uma revisão das categorias de Das em diálogo com o pensamento crítico latino-americano. Permanece o desafio de melhor caracterizar o conhecimento produzido na dor e na compaixão, como forma de renovação do marco categorial da Filosofia da Educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Allan Silva Coelho, Professor no Programa de Pós-Graduação em Educação na Universidade São Francisco USF
Licenciado em Filosofia (UNIFAI), doutor em Ciências da Religião (UMESP), com estágio de pós-doutorado no CESOR, EHESS. Professor no PPGE-USF.

Referências

CARVALHO, J. E. C. Violência e sofrimento social: a resistência feminina na obra de Veena Das, Saúde e Sociedade, vol. 17, nº 03, São Paulo, Julho/Setembro 2008.

COELHO, A. S. Legitimação teológica do sofrimento como pedagogia: uma crítica em Veena Das. Revista Educação (PUCRS. ONLINE), v. 40, p. 41-52, 2017.

COELHO, A. S. Horizontes de plausibilidade sob a crítica da filosofia: entre luzes, horrores e vítimas. Reflexão e Ação, v.26, Edição 3, 2018, p.34-51.

COELHO, A. S.; CORREIA, J. A. C.. A Banalização da injustiça social e a Pedagogia do sofrimento: categorias para pensar a educação sob o neoliberalismo. Contrapontos (Online), v. 19, p. 90-103, 2019.

DAS, V. “Sufrimientos, Teodiceas, Práticas Disciplinarias y Apropriaciones”, UNESCO, Revista Internacional d Ciências Sociales, nº 154, Antropologia- Temas y Perspectivas: II. Explorar nuevos horizontes, 2002.

DAS, V. “El acto de presenciar. Violencia, conocimiento envenenado y subjetividade”. In.: Veena Das: sujetos del dolor, agentes de dignidad, Bogotá: Universidad Nacional de Colombia / Instituto Pensar, 2008, p.217-250.

DAS, V. et al. (Org.). Violence and subjectivity. Berkeley: University of California Press, 2000.

DAS, V.; KLEINMAN, A.; LOCK, M., Social suffering. Berkeley: University of California Press, 1997.

DAS, V.; POOLE, D. El estado y sus márgenes; etnografias comparadas. Cuadernos de Antropología Social, UBA, n. 27, p. 19-52, 2008.

DUSSEL, E. Para uma ética da libertação latino-americana: eticidade e moralidade, São Paulo/ Piracicaba: Loyola/ UNIMEP, 1977.

DUSSEL, E. Filosofia da Libertação: Crítica à ideologia da exclusão. S. Paulo: Paulus, 1995.

DUSSEL, E. Ética da Libertação: na idade da globalização e da exclusão, Petrópolis: Vozes, 2000.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

HINKELAMMERT, F.J. El grito del sujeto, San José: DEI, 1998.

HINKELAMMERT, F.J. El retorno del sujeto reprimido, Bogotá: Universidad Nacional de Colombia, 2002.

JIMENO, M. Lenguagem, subjetividad y experiencias de violencia, Antípoda nº 5, julio-diciembre de 2007, páginas 169-190.

ORTEGA, F. A. (ed.), Veena Das: sujetos del dolor, agentes de dignidad, Bogotá: Universidad Nacional de Colombia- Instituto Pensar, 2008.

LÖWY, M.; NAÏR, S. Lucien Goldmann: Ou a dialética da totalidade. São Paulo: Boitempo, 2008.

PEREIRA, P. P. G. Violência, gênero e cotidiano: o trabalho de Veena Das. Cadernos Pagu, (35), São Paulo, Julho-dezembro de 2010, (2016), 357-369. Acesso em https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644975

PEREIRA, P.P.G., “Antropologia e Direitos Humanos: entre o silêncio e a voz” Revista Virtual de Antropologia; v.18: p.2-30, 2004.

ROMERO, J. P. A. “De un dolor a un saber: cuerpo, sufrimiento y memoria en los límites de la escritura”, en Papeles del CEIC, vol. 2010/2, nº 63, CEIC (Centro de Estudios sobre la Identidad Colectiva), Universidad del País Vasco, http://www.identidadcolectiva.es/pdf/63.pdf

SANTOS, B. S. O Fim do Império Cognitivo: A afirmação das epistemologias do Sul. Belo Horizonte: Autentica Editora, 2019.

WIRTH, L. E. Religião entre o instituído e as vivências cotidianas: Chaves de leitura a partir de Michel de Certeau e Veena Das. Caminhos Goiânia, v. 14, n. 1, p. 275-290, jan./jun., 2016.

Publicado
2020-12-28
Como Citar
Coelho, A. S. (2020). Conhecer no/pelo sofrer: a vítima como sujeito no testemunho e na transgressão. Horizontes, 38(1), e020055. https://doi.org/10.24933/horizontes.v38i1.1050