A hegemonia da burguesia industrial brasileira: o caso do ensino técnico profissional (1930-1950)

Resumo

No presente artigo, analisa-se como a burguesia industrial brasileira organizou-se, entre 1930 e 1950, em torno da criação de estratégias que lhe permitiram não apenas fomentar a industrialização do país, como também implementar seu ideário político-econômico. A criação do Instituto de Organização Racional do Trabalho – IDORT e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – SENAI, representam importantes passos para a garantia da hegemonia burguesa. Também avalia como os acordos bilaterais firmados entre Brasil e Estados Unidos para a educação técnica industrial permitiram a interferência dos EUA em assuntos brasileiros. Os argumentos pautam-se em publicações do IDORT e no Decreto-Lei n.9.724/1946 por meio do qual firmou-se o primeiro dos acordos bilaterais mencionados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Talita Francieli Bordignon, UNESP Rio Claro
Possui graduação em História pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP-Franca, 2008) e a segunda licenciatura em Pedagogia pelo Centro Universitário de Araras "Dr. Edmundo Ulson" (2019). Cursou o Mestrado em Filosofia e História da Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP, 2012). Trabalhou como professora celetista pela Prefeitura Municipal de Rio Claro, tendo atuado na Escola Municipal Agrícola "Eng. Rubens Foot Guimarães". É Doutora em História, Filosofia e Sociologia da Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar, 2018). Atualmente é Professora Substituta no Departamento de Educação da UNESP Rio Claro e Professora de História na Educação Básica, na rede pública estadual de São Paulo, na categoria dos professores efetivos e titulares de cargo.
Eraldo Leme Batista, Univás
Doutor em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP, área de pesquisa: Filosofia e Historia da Educação e Grupo de Estudos e Pesquisas HISTEDBR (História, Sociedade e Educação no Brasil). Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP, área de pesquisa em Ciências Sociais na Educação e GEPEDISC (Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação e Diferenciação Sociocultural). Licenciado e Bacharel em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1999)/ PUC-CAMPINAS. Licenciado em Pedagogia pela UNINOVE (Universidade Nove de Julho em 2014). Tem experiência docente na área de Educação, com ênfase em História da Educação, Sociologia da Educação, Sociologia do Trabalho, Pensamento Pedagógico, Políticas Educacionais, Pensamento Sociológico, História do Brasil, História Contemporânea, História Social e do Trabalho. Professor (2014?2016) no curso de Pedagogia da UNIOESTE, Campus de Cascavel/PR. Professor em cursos de Pedagogia e História em outras Instituições de Ensino Superior até 2014. Atuei em curso de Pós Graduação Lato Sensu/Especialização (Curso de Gestores - 2005-2006) pela Faculdade de Educação da Unicamp. Atuei como Professor em curso de Pós Graduação Lato Sensu em Gestão Educacional (2010-2011).

Referências

AZEVEDO, A. M. Organisar. Revista IDORT, São Paulo, n.3, p.5-7, mar. 1932.

BIELSCHOWSKY, R . Os anos 1960: redistribuir para crescer. BIELSCHOWSKY, R. (org.). Cinquenta anos de pensamento na CEPAL. V. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Record, 2000, p.36-44.

BRASIL. Decreto-Lei nº 12.396, de 12 de maio de 1392. Institui comissões mistas de conciliação e dá outras providências. Diário Oficial da União: República Federativa do Brasil: Poder Legislativo: Rio de Janeiro, RJ, 16 mai. 1932. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-21396-12-maio-1932-526753-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em 21 set. 2021.

BRASIL. Lei n. 38, de 04 de abril de 1935. Define crimes contra a ordem política e social. Diário Oficial da União: República Federativa do Brasil: Poder Legislativo: Rio de Janeiro, RJ, 28 jun.1935. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1930-1939/lei-38-4-abril-1935-397878-republicacao-77367-pl.html. Acesso em: 06 abr. 2020.

BRASIL. Decreto-lei n. 4.073, de 30 de janeiro de 1942. Lei orgânica do ensino industrial. Diário Oficial da União: República Federativa do Brasil: Poder Legislativo: Rio de Janeiro, 09 fev. 1942. Disponível em https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-4073-30-janeiro-1942-414503-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 06 abr. 2020.

BRASIL. Decreto-Lei n. 9.724, de 3 de setembro de 1946. Aprova o acordo celebrado entre o Ministério da Educação e Saúde e a Inter-American Educational Foundation Inc., sobre educação industrial vocacional, e dá outras providências. Diário Oficial da União: República Federativa do Brasil: Poder Legislativo: Rio de Janeiro, 06 set. 1946. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-9724-3-setembro-1946-458393-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em 06 abr. 2020.

CUNHA, L. A. O Ensino profissional na irradiação do industrialismo. São Paulo: Editora da UNESP, 2000.

CUNHA, L. A. O ensino de ofícios nos primórdios da industrialização. São Paulo: Editora da Unesp, 2005.

DIAS, J. J. A. et al. O giz e a graxa: meio século de educação para o trabalho. São Paulo: SENAI, 1992.

FAUSTO, B. História concisa do Brasil. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 2011.

FURTADO, C. Análise do modelo brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1972.

GORDON, L. O Progresso pela aliança. Rio de Janeiro: Record, 1962.

HOBSBAWM, E. A era dos extremos. 2. ed. São Paulo: Schwarcz, 1994.

IANNI, O. O colapso do populismo no Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

MULLER, M. T. A lousa e o torno: a escola SENAI Roberto Mange, de Campinas. 2008. 334f. Tese (Doutorado em) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, 2008.

NOGUEIRA. F. M. G. A ajuda externa para a educação brasileira na produção do mito do desenvolvimento: da USAID ao BIRD. 1998. 187f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1988. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/251293. Acesso em: 13 abr. 2020.

PICHELI, V. O IDORT enquanto proposta educacional no contexto de formação da hegemonia burguesa no Brasil (1930 – 1944). 1997. 143f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1997.

PORTO, W. C. 1937. 3. ed. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de edições técnicas, 2012. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/137571/Constituicoes_Brasileiras_v4_1937.pdf?sequence=9. Acesso em: 06 abr. 2020. (Constituições brasileiras, v.4).

REVISTA IDORT. Pela cooperação. n.2, p.1-2, fev. 1932b.

REVISTA IDORT. Esprit de corps. n.4, p.1-3, abr. 1932c.

SAMPAIO JUNIOR, P. A. Furtado e os limites da razão burguesa na periferia do capitalismo. Revista da Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia: v.22, n.2, p.1-44, 2008.

USAID. Aliança para o progresso: recursos humanos para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1965.

Publicado
2021-10-06
Como Citar
Bordignon, T. F., & Batista, E. L. (2021). A hegemonia da burguesia industrial brasileira: o caso do ensino técnico profissional (1930-1950). Horizontes, 39(1), e021054. https://doi.org/10.24933/horizontes.v39i1.1051