Territorialização e ensino de psicopatologia

Resumo

Este trabalho busca analisar as políticas que sustentam o Ensino de Psicopatologia em cursos de Psicologia por meio da investigação das atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão de uma amostragem de 10 currículos lattes de professores de universidades públicas, privadas e confessionais. A hipótese é haver uma territorialização do Ensino constituída como resposta às Políticas Públicas das áreas de interface da Psicopatologia e também aos interesses da clínica privada, da difusão de ênfases teóricas, das Instituições de Ensino, de categorias profissionais e da normatividade da Educação. Este recorte integra a pesquisa A Sala de Aula de Psicopatologia: Discursos e Subjetividades, filia-se à teoria discursiva e compreende o Ensino como dispositivo de formação de subjetividades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Conrado Neves Sathler, Universidade Federal da Grande Dourados
Doutor em Linguística Aplicada - Unicamp Mestre em Psicopatologia e Psicologia Clínica - ISPA (Lisboa) Professor Adjunto de Graduação e Pós-graduação de Psicologia. Faculdade de Ciências Humanas - FCH-UFGD

Referências

AMENDOLA, M. F. Formação em Psicologia, Demandas Sociais Contemporâneas e Ética: uma Perspectiva. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 34, n. 4, p. 971-983, dez. 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-370001762013. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932014000400971&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 14 abr. 2020.

APA - AMERICAN PSYCHIATRY ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. Tradução de Maria Inês Corrêa Nascimento. Porto Alegre: Artmed, 2014.

BERNARDES, J. S. A formação em Psicologia após 50 anos do Primeiro Currículo Nacional da Psicologia: alguns desafios atuais. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 32, n. spe, p. 216-231, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-98932012000500016. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932012000500016&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 14 abr. 2020.

BRASIL. (2011). Resolução CNE/CES n° 5, de 15 de março de 2011. Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=7692-rces005-11-pdf&Itemid=30192. Acesso em 16 abr. 2020.

CASTRO, E. Vocabulário de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

FOUCAULT, M. A “governamentalidade”. In: FOUCAULT, M. Estratégia poder-saber. Tradução de Vera Lúcia Avellar Ribeiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003. p. 281-305. (Coleção Ditos e Escritos; 4). [Texto original de 1978]

FOUCAULT, M. Segurança, Território e População – Curso no Collège de France 1977-1978 -. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

FOUCAULT, M. Nascimento da Biopolítica – Curso no Collège de France 1978-1979. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FOUCAULT, M. O olho do Poder. In: FOUCAULT, M. Repensar a Política. Tradução de Ana Lúcia Paranhos Pessoa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010. p. 107-125. (Coleção Ditos e Escritos, VI). [Texto original de 1977].

FOUCAULT, M. As malhas do Poder. In: FOUCAULT, M. Segurança, penalidade e prisão. Tradução de Vera Lúcia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012. p. 168-188. (Coleção Ditos e Escritos, VIII). [Texto original de 1981].

FRAZÃO, P.; MINAKAWA, M. M. Medicalização, Desmedicalização, Políticas Públicas e Democracia sob o capitalismo. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 407-430, ago. 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00123. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462018000200407&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 07 abr. 2020.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 1999.

HACKING, I. Construindo tipos: o caso de abusos contra crianças. Cad. Pagu, Campinas, n. 40, p. 7-66, jun. 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-83332013000100001. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332013000100001&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 03 abr. 2020. [Tradução de Mariza Corrêa].

HACKING, I. Philosophie et histoire des concepts scientifiques. Résumé des cours: façonner les gens – 2001/2002. Disponível em: https://www.college-de-france.fr/media/ian-hacking/UPL7997567846150782232_Hacking2001_2002.pdf. Acesso em: 29 maio 2018.

HACKING, I. Philosophie et histoire des concepts scientifiques. Résumé des cours: Figure de l`autism – 2004/2005. Disponível em: https://www.college-de-france.fr/media/ian-hacking/UPL7997567846150782232_Hacking2001_2002.pdf. Acesso em: 29 maio 2018.

HUNING, S. M.; GOMES, C. A. R. A Pesquisa-experiência na Psicologia: Corpos, Afetos e Experiências em Territórios Urbanos. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 39, n. spe2, e225540, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-3703003225540. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932019000600300&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 18 abr. 2020.

LIMA, V. C.; SOUZA, R. T. Formação humana e competências: o debate nas diretrizes curriculares de psicologia. Psicol. Soc., Belo Horizonte, v. 26, n. 3, p. 792-802, dez. 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-71822014000300027. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822014000300027&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 14 abr. 2020.

LISBOA, F. S.; BARBOSA, A. J. G. Formação em Psicologia no Brasil: um perfil dos cursos de graduação. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 29, n. 4, p. 718-737, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-98932009000400006. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932009000400006&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 14 abr. 2020.

LUZIO, C. A.; L'ABBATE, S. A atenção em Saúde Mental em municípios de pequeno e médio portes: ressonâncias da reforma psiquiátrica. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 105-116, fev. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000100016. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232009000100016&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 05 abr. 2020.

MACEDO, J. P. et al. Transnacionalização do Ensino Superior: Impactos nos Processos Formativos em Psicologia no Brasil. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 37, n. 4, p. 852-868, dez. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-3703004272016. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932017000400852&lng=pt&nrm=iso>. acesso em 14 abr. 2020.

MARTINS, A. L. B. Biopsiquiatria e bioidentidade: política da subjetividade contemporânea. Psicol. Soc., Florianópolis, v. 20, n. 3, p. 331-339, dez. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-71822008000300003. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822008000300003&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 30 maio 2018.

MATTA, G. C. Princípios e Diretrizes do Sistema Único de Saúde. In: MATTA, G. C.; PONTES, A. L. M. (Org.). Políticas de Saúde: Organização e operacionalização do Sistema Único de Saúde. Rio de Janeiro: EPSJV/FIOCRUZ, 2007, v. 3, p. 61-80.

RECHTMAN, R.; BOCK, A. M. B. Formação do Psicólogo para a Realidade Brasileira: Identificando Recursos para Atuação Profissional. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, v.35, e3551, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/0102.3772e3551. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722019000100600&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 14 abr. 2020.

ROSE, N. Como se deve fazer a história do EU? Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 26, n. 1, p. 33-57, jun./jul. Semestral, 2001a. [Tradução de Tomaz Tadeu da Silva].

ROSE, N. Inventando nossos eus. In: SILVA, T. T. (Org.). Nunca fomos humanos: nos rastros do sujeito. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2002b. P. 137-204.

AUTORES X. 2019.

AUTORES X. 2020.

SEIXAS, P. S. et al. As políticas sociais nos fundamentos dos projetos pedagógicos dos cursos de Psicologia. Psicol. Esc. Educ., Maringá, v. 20, n. 3, p. 437-446, dez. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-3539201502031005. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572016000300437&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 14 abr. 2020.

SIBILIA, P.; JORGE, M. F. O que é ser saudável? Entre publicidades modernas e contemporâneas. Galáxia (São Paulo), São Paulo, n. 33, p. 32-48, dez. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-25542016225865. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532016000300032&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 01 abr. 2020.

VIANA, A. L. D.; SILVA, H. P. Meritocracia neoliberal e capitalismo financeiro: implicações para a proteção social e a saúde. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 7, p. 2107-2118, jul. 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018237.07582018. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232018000702107&lng=pt&nrm=iso>. Acessos em 07 abr. 2020.

WEINMANN, A. O. Dispositivo: um solo para a subjetivação. Psicol. Soc., Porto Alegre, v. 18, n. 3, p. 16-22, dez. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-71822006000300003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822006000300003&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 30 maio 2018.

Publicado
2021-04-24
Como Citar
Sathler, C. N. (2021). Territorialização e ensino de psicopatologia. Horizontes, 39(1), e021015. https://doi.org/10.24933/horizontes.v39i1.1057