Garantir o interesse e a atividade da criança: as festas escolares e o ideário renovado de ensino (finais do século XIX e primeiras décadas do século XX)

  • Renata Marcílio Cândido Professora do Curso de Pedagogia da Unifesp e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Unifesp http://orcid.org/0000-0002-8032-881X

Resumo

O artigo analisa as relações entre o objeto festas escolares e as ideias escolanovistas divulgadas em periódicos de ensino e manuais pedagógicos publicados em finais do século XIX e início do XX. Trata-se de um relato de pesquisa que busca analisar como as comemorações escolares se relacionaram ao discurso renovado de ensino contribuindo para a consolidação de premissas fundantes do movimento. As análises elaboradas indicam que experiência festiva reconstruída transformar-se-ia na atividade capaz de garantir o interesse e a funcionalidade da educação, reunindo, em um só evento, conceitos caros ao movimento renovador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Marcílio Cândido, Professora do Curso de Pedagogia da Unifesp e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Unifesp
Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação e do Departamento de Educação da Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (EFLCH) da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Possui graduação em Pedagogia pela Universidade de São Paulo (2003), Mestrado em Educação (2007) de Doutorado em Educação (2012) pela mesma universidade. Atualmente coordena a Residência Pedagógica para Educação Infantil no âmbito do Curso de Pedagogia e integra o Grupo de Pesquisa 'História da Educação: Intelectuais, Instituições, Impressos" (Unifesp).Tem experiência na área de Educação, com ênfase em História da Educação e Tópicos Específicos da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: história da educação, cultura escolar, avaliação, festas escolares, práticas da vida escolar e uso dos uniformes.

Referências

BOURDIEU, Pierre. Coisas Ditas. São Paulo: Brasiliense, 1990.

________________. Razões Práticas: sobre a teoria da ação. São Paulo: Papirus, 1996.

CLAPARÈDE, E. (1933). A educação funcional. São Paulo: Companhia Editora Nacional, Biblioteca Pedagógica Brasileira, Atualidades Pedagógicas, Série III, Volume IV.

DEWEY, J. (1936). Democracia e Educação. São Paulo: Companhia Editora Nacional, Coleção Atualidades Pedagógicas.

_______ (1978). Vida e Educação. São Paulo: Companhia Editora Nacional, Coleção Atualidades Pedagógicas.

FERRIÈRE, A. (1934). A escola ativa. Porto: Editora Nacional de Antônio Figueirinhas.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, n. 1, jan.-jun/2001, p. 09-43.

LAGE, Bernardino da Fonseca. Didáctica Geral da Escola Moderna – Segundo os atuais programas das Escolas do Magistério Primário. Porto: Edição de J. Reis & Silvas, Ltda., 1945.

LOUREIRO, Francisco de Sousa (Professor efetivo dos liceus e Diretor da Escola do Magistério Primário de Coimbra). Lições de Pedagogia e Didática Geral. Edição do Autor, 1950.

LOURENÇO FILHO, M. B. (1963). Introdução ao estudo da Escola Nova. São Paulo: Editora Melhoramentos, 8ª edição.

NÉRICI, Imídeo Giuseppe. Introdução à Didática Geral (Dinâmica da Escola). Brasil/Portugal: Editora Fundo de Cultura, 1960.

NÓVOA, A. (1995). Uma educação que se diz nova. Candeias, et al. Sobre a Educação Nova: cartas de Adolfo Lima a Álvaro Viana de Lemos. Lisboa: Educa, p. 25-41.

SCHRIEWER; J.; NÓVOA, A. (2000). A difusão mundial da escola. Lisboa: Educa.

VIANA, Mario Gonçalves. Pedagogia Geral. Porto: Livraria Figueirinhas, 4ª edição, 1960, 1ª edição 1946.

Publicado
2021-04-24
Como Citar
Cândido, R. M. (2021). Garantir o interesse e a atividade da criança: as festas escolares e o ideário renovado de ensino (finais do século XIX e primeiras décadas do século XX). Horizontes, 39(1), e021016. https://doi.org/10.24933/horizontes.v39i1.1077