Dissonâncias do Programa Tempo de Aprender (SEALF/MEC/2020) com as pesquisas sobre alfabetização

  • Suzana Lopes de Albuquerque IFG
  • Carlota Boto USP

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar dissonâncias conceituais que a Secretaria de Alfabetização (Sealf) do MEC tem adotado a partir da Política Nacional de Alfabetização (2019) e do Programa Tempo de Aprender (2020), desconsiderando as pesquisas científicas realizadas no âmbito das universidades brasileiras. Ao evocar pesquisas internacionais, principalmente do National Reading Painel (2000), a atual Secretaria limita a alfabetização a seu processo metodológico, não levando em conta a importância da dimensão de letramento. Pergunta-se o que está em debate na visão da Sealf, que insiste em não avaliar a importância da formação inicial e continuada de professores de diferentes universidades e de pesquisadores imbuídos de um princípio crítico-político-social, reduzindo o tema a um viés tecnicista do método sintético fônico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Carlota Boto, USP

Professora na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP). É autora dos livros A liturgia escolar na Idade Moderna, publicado pela Editora Papirus e Instrução pública e projeto civilizador, publicado pela Editora Unesp. É bolsista produtividade 1D do CNPq.

Publicado
2021-07-01
Como Citar
Lopes de Albuquerque, S., & Boto, C. (2021). Dissonâncias do Programa Tempo de Aprender (SEALF/MEC/2020) com as pesquisas sobre alfabetização. Horizontes, 39(1), e021021. https://doi.org/10.24933/horizontes.v39i1.1125