Ciência, paradigmas científicos e inter/transdisciplinaridade: implicações pedagógicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24933/horizontes.v39i1.1134

Resumo

Este ensaio discute a criação da linguagem do poder, do conhecimento, que está na base de toda política moderna. Para tanto, reflete-se sobre o percurso das Ciências e dos paradigmas científicos, desde a época em que se concebia a mente humana acima do campo terrestre para contemplá-lo do alto, de algum ponto do universo (Ciência Moderna) até as teorias mais recentes sobre o mundo dos sentidos (Ciências Sociais). O procedimento metodológico adotado tem como base a pesquisa bibliográfica. Espera-se que os resultados do trabalho possam trazer subsídios para o debate sobre o modo como os movimentos inter/transdisciplinares afetam as sociedades do conhecimento, em todos os seus níveis e esferas, especialmente no âmbito educacional, impulsionando o aprendizado, o amadurecimento, os avanços e as novas descobertas nas diferentes áreas do conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Nascimento Sandes, Universidade Federal do Tocantins

Professor do Curso de Letras - Língua Inglesa e Literaturas de Língua Inglesa da Universidade Federal do Tocantins (UFT), campus de Porto Nacional. Licenciado em Letras Modernas (2012) pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia e mestre em Letras: Cultura, Educação e Linguagens (2015) pela mesma Universidade. Doutorando em Letras pelo Programa de Pós-graduação em Letras: ensino de Língua e Literatura da UFT, campus de Araguaína. É pesquisador no grupo de pesquisa "Projeto Nacional de Letramentos: Linguagem, Cultura, Educação e Tecnologia", coordenado pelos professores Walkyria Monte Mór e Lynn Mario Menezes de Souza, do Departamento de Letras Modernas da FFLCH, da Universidade de São Paulo (USP/CNPq). Possui especial interesse pelas seguintes temáticas: ensino e aprendizagem de línguas, novos letramentos, role-playing games, avaliação da aprendizagem escolar em Língua inglesa, Linguística Aplicada, Inglês como Lingua Franca (ILF), Internacionalização. Trabalhou como professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia, Campus Vitória da Conquista (IFBA), atuando com as disciplinas de Inglês e Inglês técnico-instrumental nos níveis médio, técnico e superior (2015-2016). Foi coordenador do Programa de Apoio ao Discente Ingressante (PADI), área de Lingua Inglesa do Setor de Programas Especiais/PROGRAD-UFT (2017-2018) e do Centro de Estudos Continuados em Letras, Linguística e Artes (CECLLA), vinculado ao curso de Letras da UFT (2017-2019) e coordenador do programa Idiomas sem Fronteiras da UFT, designado pela portaria de 22 de fevereiro de 2018.

Cícero da Silva, Universidade Federal do Tocantins

Doutor e Mestre em Letras: Ensino de Língua e Literatura pela Universidade Federal do Tocantins (UFT). Graduado em Letras com habilitação em Português-Inglês e respectivas literaturas pela Universidade Estadual do Tocantins (UNITINS). Professor Adjunto da Universidade Federal do Tocantins, atuando no Programa de Pós-graduação em Letras: Ensino de Língua e Literatura, Campus de Araguaína e no curso de Licenciatura em Educação do Campo: Códigos e Linguagens - Artes e Música, campus de Tocantinópolis. Editor assistente da Revista Brasileira de Educação do Campo, Editor administrativo da Revista EntreLetras e líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação do Campo (Gepec/CNPq). Tem experiência na área de Linguística Aplicada e Educação do Campo, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino de língua portuguesa, gêneros do discurso, material didático, letramento, práticas pedagógicas em Educação do Campo / Pedagogia da Alternância. É membro da Associação Brasileira de Linguística (ABRALIN) e da Red de Investigación de Educación Rural (RIER), Méxixo.

Referências

ARENDT, H. A conquista do espaço e a estatura humana. In: ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. 6. ed. São Paulo: Perspectiva, 2009, p.326-344.

BIESTA, G. Cultivating humanity or educating the human? Two options for education in the knowledge age. Asia Pacific Education Review, n.15, p.13-19, 2014.

BULFINCH, T. O livro de ouro da mitologia: (a idade da fábula): histórias de deuses e heróis. Trad. David J. Júnior, 26. ed. Rio de Janeiro, 2002.

CHALMERS, A. Indutivismo: ciência como conhecimento derivado dos dados da experiência. In: CHALMERS, A. O que é ciência afinal? Trad. Raul Filker, São Paulo: Editora Brasiliense, 1993, p.17-28.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n.22, p.89-100, 2003.

DUBOC, A. P.M. Atitude decolonial na universidade e na escola: por uma educação outra. In: MASTRELLA-DE-ANDRADE, M. R. (org.). Decolonialidades na relação escola-universidade para a formação de professoras(es) de Línguas. Campinas: Pontes Editores, 2020. p.151-177.

FABRÍCIO, B. F. Linguística aplicada como espaço de “desaprendizagem”: redescrições em curso. In: MOITA LOPES, L. P.(org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editora, 2006. p.45-65.

FAZENDA, I. C. A. Interdisciplinaridade-transdisciplinaridade: visões culturais e epistemológicas. In: FAZENDA, I. C. A. (org.). O que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008, p.17-27.

FRANCELIN, M. M. Ciência, senso comum e revoluções científicas: ressonâncias e paradoxos. Ciência da Informação, Brasília, v.33, n.3, p.26-34, set./dez. 2004.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

MALDONADO-TORRES, N. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, S., GROSFOGUEL, R. (eds.). El giro descolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007, p.127-167.

MIGNOLO. W. Coronavirus: el estado y los signos de un cambio de época. Lavaca. Buenos Aires, p.1-22, jun. 2020. Disponível em: https://www.lavaca.org/notas/coronavirus-y-pensamiento-decolonial-educacion-estado-y-democracia-por-walter-mignolo/. Acesso em: 18 out. 2020.

MOITA LOPES, L. P. Linguística aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: MOITA LOPES, L. P.(org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p.85-107.

RAJAGOPALAN, K. Language in our postmodern times and the pressing need to find novel ways of conceptualizing it. In: HAßLER, G. (ed.). Metasprachliche reflexion und diskontinuität: wendepunkte – krisenzeiten – umbrüche. Münster: NodusPublikationen, 2015, p.296- 307.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. 7. ed. Porto: B. Sousa Santos; Edições Afrontamento, 1987.

SILVA, W. R. Construção da interdisciplinaridade no espaço complexo de ensino e pesquisa. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v.41, n.143, p.582-605, 2011.

Downloads

Publicado

2021-11-22

Como Citar

Nascimento Sandes, F., & da Silva, C. (2021). Ciência, paradigmas científicos e inter/transdisciplinaridade: implicações pedagógicas. Horizontes, 39(1), e021060. https://doi.org/10.24933/horizontes.v39i1.1134