Uma forma de educar na Escola Superior de Agricultura e Veterinária de Viçosa: a circulação de discursos higienistas e eugenistas na revista Seiva (1940 a 1948)

Resumo

Esse estudo objetiva analisar saberes e práticas higienistas e eugenistas que circularam na revista Seiva, e que se tornaram parte do processo educativo da Escola Superior de Agricultura e Veterinária entre os anos de 1940 e 1948. Metodologicamente, está localizado no campo da História Cultural e utiliza dos ofícios do historiador, orientados por Certeau (2015). A eugenia circulou pela revista em suas conformações negativas e positivas, sendo esta última aliada aos preceitos higiênicos. O periódico visava incutir saberes modernos nos esavianos, tornando-os agentes do melhoramento rural, além de veicular saberes elementares aos sujeitos no campo. Considera-se que a revista Seiva se constituiu como parte do processo formativo dos esavianos e de sujeitos rurais, servindo a propósitos da Escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Pedro Milagres, Mestrando no PPGE/UFV

Mestrando em Educação pelo PPGE-UFV, com ênfase em Educação, Instituições, Memória e Subjetividade. Licenciado no Departamento de Educação Física (DES) da Universidade Federal de Viçosa (UFV) - campus viçosa. Integrante do Laboratório de Estudos e Pesquisa em Educação Física, Esporte e Sociedade (LEPEFES) na UFV e do Grupo de Estudos e Pesquisas em História da Ginástica (GEPHGI) na UFMG. Interesse de pesquisa nas áreas de História da Educação, História do Corpo e Práticas Pedagógicas na Educação Infantil.

Anderson Baía, Docente do Departamento de Educação Física e do PPGE da UFV
Professor do Departamento de Educação Física e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Viçosa.

Referências

AZEVEDO, D. S. Estudo comparado dos periódicos Ceres e Seiva, como fontes da história da educação da Universidade Federal de Viçosa. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 2., 2002, Natal. Anais [...]. Natal: Núcleo de Arte e Cultura, 2002. p.1-10.

AZEVEDO, D. S. Melhoramento do homem, do animal e da semente: o projeto político pedagógico da ESAV (1920-1948), organização e funcionamento. 2005. 225f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

BAIA, A. C. O esporte na consolidação e propagação do espírito esaviano. 2006. 144f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2006.

CASTRO, M. G.; ALVES, D. A. Ensino, pesquisa e extensão na Universidade Federal de Viçosa: origem e trajetória institucional (1926-1988). Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v.22, n.70, p.752-773, jul. 2017.

CERTEAU, M. A escrita da história. Trad. Maria de Lourdes Menezes. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2015.

COSTA VAL FILHO, J. B. Noite Molhada. Revista Seiva, Viçosa, n.11, p.24-25, 1943.

DEL CONT, V. Francis Galton: eugenia e hereditariedade. Scientiae Studia, São Paulo, v.6, n.2, p.201-218, jun.2008.

FESTA de formatura na ESAV – 15 de Dezembro de 1942. Revista Seiva, Viçosa, n.12, p.44-50, 1940.

FROTA, E. H. A seleção genética. Revista Seiva, Viçosa, n.2, p.12-14, 1940.

GÓIS JUNIOR, E. Alberto Torres e os higienistas: intervenção do Estado na educação do corpo (1910-1930). Saúde e Sociedade, São Paulo, v.23, n.4, p.1445-1457, dez. 2014.

GÓIS JUNIOR, E.; GARCIA, A. B. A eugenia em periódicos da educação física brasileira (1930-1940). Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v.22, n.2, p.247-254, jul. 2011.

GÓIS JUNIOR, E. O século da higiene: uma história de intelectuais da saúde (Brasil, século XX). 2003. 303f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, 2003.

GONDRA, J. G. Homo hygienicus: educação, higiene e a reinvenção do homem. Cadernos Cedes, Campinas, v.23, n.59, p.25-38, abr. 2003.

HOCHMAN, G. A era do saneamento. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 2012.

LANA, M. L. Discurso do paraninfo da turma de técnicos agrícolas de 1943. Revista Seiva, Viçosa, n.15, p.31-34, 1944.

LOBATO, M. Urupês. São Paulo: Editora Globo, 2007.

MORANDO, A.; SOUZA, N. G. S. A biologia educacional e a higiene escolar na década de 1940: a (in)visibilidade das diferenças na educação brasileira. Textura, Canoas, v.21, n.46, p.4-23, jun. 2019.

MOREIRA, O. A. Êxodo rural. Revista Seiva, Viçosa, n.23, p.16-18, 1946.

NEWLANDS, P. A. Eugenia. Revista Seiva, Viçosa, n.1, p.4-8, 1940.

PEIXOTO, P. B. Até que a eugenia nos separe: raça, saúde e a proposta do exame médico pré-nupcial no Brasil (1918- 1936). 2017. 205f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Franca, 2017.

PESAVENTO, S. J. História & história cultural. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

RIBEIRO, M. G. A educação superior norte-americana: gênese de um modelo. História da Educação, Porto Alegre, n.48, p.75-93, 2016.

RIBEIRO, M. G. Caubóis e caipiras: os land grant colleges e a Escola Superior de Agricultura de Viçosa. História da Educação, Pelotas, n.19, p.105-120, 2006.

SÁ-SILVA, J. R.; ALMEIDA, C. D.; GUINDANI, J. F. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Rev.Bras. de História & Ciências Sociais. n.1, p.1-15, jul., 2009.

SEIVA. Viçosa: [s.n.], v.3, n.12, jun. 1943.

SILVA, A. L. S. Nos domínios do corpo e da espécie: eugenia e biotipologia na constituição disciplinar da educação física. 2012. 261f. Tese (Doutorado em Ciências do Movimento) – Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

SILVEIRA, É. A cura da raça: eugenia e higienismo no discurso médico sul-rio-grangense nas primeiras décadas do século XX. Porto Alegre: Editora da UFCSPA, 2016.

SOARES, C. L. O pensamento médico-higienista e a educação física no Brasil: 1850-1930. 1990. 256f. Tese (Doutorado em Educação) –Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1990.

SOUZA, V. S. A eugenia brasileira e suas conexões internacionais: uma análise a partir das controvérsias entre Renato Kehl e Edgard Roquette-Pinto, 1920-1930. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.23, p.93-110, dez. 2016.

STEFANO, W. Relações entre eugenia e genética mendeliana no Brasil: Octávio Domingues. In: MARTINS, R. A. et al. (ed.). Filosofia e história da ciência no Cone Sul: 3º encontro. Campinas: Afhic, 2004. p.486-495.

STEPAN, N. L. A hora da eugenia: raça, gênero e nação na América Latina. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2005.

VAGO, T. M. Cultura escolar, cultivo de corpos: educação physica e gymnastica como práticas constitutivas dos corpos de crianças no ensino público primário de Belo Horizonte (1906-1920). Bragança Paulista: Edusf, 2002.

WARREN, C. O controlo do sexo é uma realidade científica. Revista Seiva, Viçosa, n.4, p.15-16, 1941.

WEGNER, R. Dois geneticistas e a miscigenação. Varia História, Belo Horizonte, v.33, n.61, p.79-107, abr. 2017.

WEGNER, R.; SOUZA, V. S. Eugenia ‘negativa’, psiquiatria e catolicismo: embates em torno da esterilização eugênica no Brasil. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.20, n.1, p.263-288, mar. 2013.

Publicado
2021-11-22
Como Citar
de Oliveira Milagres, P., Gomes de Oliveira, G., & da Cunha Baía, A. (2021). Uma forma de educar na Escola Superior de Agricultura e Veterinária de Viçosa: a circulação de discursos higienistas e eugenistas na revista Seiva (1940 a 1948). Horizontes, 39(1), e021062. https://doi.org/10.24933/horizontes.v39i1.1193