A formação continuada enquanto política pública: ações e programas para atender às necessidades dos professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24933/horizontes.v40i1.1216

Resumo

Este estudo teve como objetivo entender a formação continuada enquanto política pública em um município do Triângulo Mineiro. Baseou-se em uma pesquisa qualitativa, orientada epistemologicamente pela abordagem dialética. Quanto aos procedimentos de coleta de dados, foram utilizados os seguintes: pesquisa bibliográfica, documental e de campo. Na pesquisa empírica utilizou-se questionários online como instrumentos para a coleta de dados. Conclui-se que para os professores e gestores políticas públicas são ações e programas desenvolvidos para atender às necessidades e interesses do povo. Constatamos que existe um projeto de formação continuada para os professores no município, mas são necessárias novas perspectivas em relação às políticas públicas e práticas educativas da rede.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adrinelly Nogueira, Prefeitura Municipal de Uberaba-MG

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Uberlândia/Faculdade de Ciências Integradas do Pontal (UFU/FACIP), onde atuou como bolsista no Subprojeto Gestão do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID/UFU). Pós-graduada em Psicopedagogia Clínica e Institucional e Educação Infantil pela Faculdade Venda Nova do Imigrante (FAVENI). Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, na Linha de Pesquisa: Políticas Educacionais, Gestão e Formação de Professores oferecido pela Universidade Federal de Jataí (PPGE/UFJ). Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia , na Linha de Pesquisa: Estado, Políticas e Gestão da Educação. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Política, Formação Docente e Práticas Educativas (GEPPOPE) e do Laboratório de Políticas e Gestão da Educação (LAPGE) da Universidade Federal de Uberlândia. Professora efetiva da Rede Municipal de Educação de Uberaba-MG desde 2016.

Maria Célia Borges, Associada da Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de de Educação

Graduação em Pedagogia na Faculdades Integradas de Uberaba. Especialização (lato sensu) em Metodologia do Ensino Superior, Psicopedagogia e Fundamentos da Educação. Mestrado em Educação pela UFU. Doutorado pela PUCSP no Programa de Educação/Currículo. Pós-doutorado em Educação pela FEUSP, no programa do Dpto. Filosofia da Educação e Ciências da Educação. Atualmente é Professora ASSOCIADA na Universidade Federal de Uberlândia, FACED, em Uberlândia-MG. Foi professora adjunto da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) em Uberaba-MG, por mais de 5 anos. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Políticas de Formação de professores,Ensino Superior e Didática. Pesquisa e publica sobre os seguintes temas: Formação de Professores, Políticas Educacionais, Gestão Democrática; Educação Superior; Qualidade de Ensino e Inclusão Educacional e Social. Leciona nos cursos de graduação, pós-graduação e extensão. Foi coordenadora Institucional do PIBID/UFTM de 2009 a 2013. Coordenação Pibid Gestão UFU/Pontal de 2016 a 2018. Participa em congressos com apresentação de trabalhos em várias regiões do País. Desenvolve pesquisa com projetos aprovados e financiados pela FAPEMIG e CNPQ. Docente Permanente no Programa de Pós graduação Mestrado em Educação da Universidade de Uberlândia (UFU) linha Estado, Políticas e Gestão em Educação. Atuou como Docente permanente e colaboradora no Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado em Educação) na Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM),Linha Formação de professores e cultura digital, entre 2013 a 2018. Integante do GPEFORM / Grupo de Pesquisas e Estudos sobre Formação de Professores e GEPPOPE / Grupo de Estudos e Pesquisas em Política, Formação Docente e Práticas Educativas

Referências

COMPARATO, F. K. O capitalismo pós-industrial. Revista Estudos do Século XX. n.13, p.67-82, 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.14195/1647-8622_13_4. Disponível em: https://digitalis-dsp.uc.pt/bitstream/10316.2/36797/1/O%20Capitalismo%20Pos-Industrial.pdf. Acesso em: 14 set. 2019.

HOFLING, E. M. Estado e políticas (públicas) sociais. Cadernos Cedes, Campinas, ano XXI, n.55, p.30-41, nov. 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v21n55/5539.pdf. Acesso em: 30 out. 2017.

JOSÉ NETTO, P. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011. Disponível em: http://www.gepec.ufscar.br/publicacoes/livros-e-colecoes/livros-diversos/introducao-aos-estudos-do-metodo-de-marx-j-p-netto.pdf/at_download/file. Acesso em: 31 maio 2017.

LIBÂNEO, J. C. Políticas educacionais no Brasil: desfiguramento da escola e do conhecimento escolar. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v.46, n.159, p.38-62, jan./mar. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/198053143572. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v46n159/1980-5314-cp-46-159-00038.pdf. Acesso em: 09 dez. 2018.

MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 32. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

OLIVEIRA, R.; SOUZA, W. M.; PERUCCI, L. S. Política de formação de professores nas últimas décadas no Brasil: avanços, desafios, possibilidades e retrocessos. Roteiro, Santa Catarina, v.43, n. esp, p.47-76, dez. 2018. DOI: https://doi.org/10.18593/r.v43iesp.16491. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/16491. Acesso em: 13 jan. 2020.

PEREIRA, L. C. B. Uma nova gestão para um novo estado: liberal, social e republicano. Revista do Serviço Público, Brasília, v.52, n.1, p.5-24, jan. 2001. DOI: https://doi.org/10.21874/rsp.v52i1.298. Disponível em: http://www.bresserpereira.org.br/papers/2001/78Ottawa-p.pdf. Acesso em: 30 nov. 2019.

SANFELICE, J. L. O compromisso ético e político do educador e a construção da autonomia da escola. Nuances, Presidente Prudente, v.VI, p.10-13, out. 2000. Disponível em: http://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/view/89. Acesso em: 19 set. 2019.

SILVA, S. P. O processo de implementação das políticas educacionais e repercussões nas formas de gestão da escola e no processo de ensino-aprendizagem: o pacto pela educação em Goiás. 2014. 249f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2014. Disponível: http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/bitstream/tede/709/1/SIMONIA%20PERES%20DA%20SILVA.pdf. Acesso em: 25 jan. 2019.

SOUZA, C. Políticas públicas: questões temáticas e de pesquisa. Caderno CRH, Salvador, n.39, p.11-24, jul./dez. 2003. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/359019/mod_resource/content/1/T2%20Celina%20Souza%20Politicas%20publicas%20RCRH-2006-273.pdf. Acesso em: 05 jan. 2018.

UBERABA (MG). Decreto nº 1590, de 09 de fevereiro de 2018. Institui a política de formação dos profissionais da educação básica da rede municipal de ensino de Uberaba, e dá outras providências. Uberaba: Prefeitura, 2018. Disponível em: http://www.uberaba.mg.gov.br:8080/portal/acervo/portavoz/arquivos/2018/1584%20-%2009-02-2018.pdf. Acesso em: 09 jun. 2019.

WELLEN, H. A. R. Neoliberalismo, reforma do estado e o público-não-estatal: novos contornos entre o público e o privado. Século XXI, Santa Maria, v.1, n.2, p.95-114, jul./dez. 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/223667254873. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/seculoxxi/article/view/4873/2916. Acesso em 24 set. 2019.

Downloads

Publicado

2022-07-13

Como Citar

Nogueira, A., & Borges, M. C. (2022). A formação continuada enquanto política pública: ações e programas para atender às necessidades dos professores . Horizontes, 40(1), e022014. https://doi.org/10.24933/horizontes.v40i1.1216