Brunschvicg, Bergson e Meyerson: influências e contra-influências na filosofia de Bachelard

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24933/horizontes.v39i1.1244

Resumo

Neste artigo examinamos as relações do filósofo Gaston Bachelard com três de seus principais interlocutores: Léon Brunschvicg, Henri Bergson e Émile Meyerson. Essas relações são, de certo modo, pedagógicas – afinal, é por meio das interseções e das diferenças que um filósofo constrói o seu pensamento. A ligação entre Bachelard e Brunschvicg é a que existe entre um professor e um aluno: Bachelard parte das suas ideias, mas as ultrapassa, alcançando novos horizontes. Já entre Bachelard e Bergson há algumas diferenças essenciais, que podem ser resumidas no valor oposto que eles conferem à ciência. Quanto à relação entre Bachelard e Meyerson, a diferença fundamental está na defesa da imobilidade ou da transformação da razão humana, tanto do ponto de vista da teoria do conhecimento, quanto do ponto de vista da história das ciências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2021-09-02

Como Citar

Guimarães, G. B. (2021). Brunschvicg, Bergson e Meyerson: influências e contra-influências na filosofia de Bachelard. Horizontes, 39(1), e021045. https://doi.org/10.24933/horizontes.v39i1.1244

Edição

Seção

Seção Temática: “A presença de Gaston Bachelard no Brasil”