Clássicos da literatura infantil: implicações da indústria cultural

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24933/horizontes.v39i1.1260

Resumo

O desenvolvimento de leitor/escritor relaciona-se com as experiências proporcionadas pelos textos a que tem acesso em diferentes situações de mediação. Neste trabalho, objetiva-se refletir sobre a literatura infantil no contexto escolar, destacando-se a implicação da indústria cultural na produção de obras voltadas para a infância. A literatura para crianças, cuja gênese encontra-se em Charles Perrault, é perpassada pela lógica da indústria cultural, mediante a qual a arte se reduz à mercadoria. Nesse sentido, defendem-se práticas pedagógicas com clássicos da literatura infantil em sua forma original, já que novas versões, inseridas no sistema da indústria cultural, podem perder a riqueza dos elementos descritivos e o seu próprio conteúdo, inviabilizando experiências formativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luana Graziela da Cunha, Universidade Estadual de Maringá

Possui formação no curso de Formação de Docentes da Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental (2015). Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual de Maringá (2020). É mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação pela Universidade Estadual de Maringá. Atualmente é bolsista de Pós-Graduação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Participa do Grupo de Estudos e Pesquisas: Educação Escolar, Formação e Teoria Crítica vinculado a Universidade Estadual de Maringá. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Infantil, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, sarcasmo pedagógico e autoritarismo.

Maria Terezinha Bellanda Galuch, Universidade Estadual de Maringá

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual de Maringá (1988), especialização em metodologia do ensino pela Universidade Estadual de Maringá (1994), mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (1996), doutorado em Educação: História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2004). Realizou estágio de Pós-doutorado no Instituto de Psicologia da USP (2013). Atualmente é professora Associada da Universidade Estadual de Maringá. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino-Aprendizagem, atuando principalmente nos seguintes temas: aprendizagem, educação, ensino fundamental, ensino e aprendizagem, Teoria Crítica da Sociedade.

Jéssica Maquiaveli, Universidade Estadual de Maringá

Possui graduação em Letras - Inglês pela Universidade Paranaense (2009), graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual de Maringá (2014), especialização em Educação especial pelo Instituto Rhema e mestrado no Programa de Pós Graduação em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (2020). Atualmente faz parte do grupo de estudos "Educação Escolar, Formação e Teoria Crítica" da Universidade Estadual de Maringá.

Referências

ABRAMOVICH, F. Literatura infantil: gostosuras e bobices. São Paulo: Scipione, 1997.

ADORNO, T. W. Educação e emancipação. Trad. Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

ADORNO, T. W. Mínima moralia. São Paulo: Ática, 1993.

ADORNO, T. W. Teoria da semicultura. Revista Educação e Sociedade, n.56, ano XVII, p.388-411, dez. 1996.

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fundamentos filosóficos. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

ARIES, P. História social da criança e da família. Trad. Dora Flasksman. 2. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. 1981.

BENJAMIN, W. Experiência e pobreza. In: BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura (Obras Escolhidas, vol.1). Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo, Brasiliense, 1987. p.197-221.

BENJAMIN, W. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. Trad. Marcus Vinicius Mazzari. 34. Ed., São Paulo: Duas Cidades, 2002.

BENJAMIN, W. O contador de histórias: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, W. A arte de contar histórias. Trad. Georg Otte, Marcelo Backes e Patrícia Lavelle. São Paulo: Hedra, 2018. (Coleção Walter Benjamin).

CALVINO, I. Por que ler os clássicos. Trad. Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

COELHO, N. N. Panorama histórico da literatura infantil-juvenil: das origens indoeuropéias ao Brasil contemporâneo. 3. ed. ref. e ampl. São Paulo: Quíron, 1985.

COSTA, S. S; FONTANA, R. L. M; RODRIGUES, A. J.; SILVA, J. A. B. Teorias demográficas e o crescimento populacional no mundo. Ciências Humanas e Sociais Unit, Aracaju, v.2, n.3, p.113-124, mar. 2015. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/index.php/cadernohumanas/article/view/1951/1209. Acesso em: 23 jul. 2020.

GIOVINAZZO JÚNIOR, C. A. Cultura, educação e indústria cultural: a pedagogização das práticas culturais e as transformações da literatura infantil. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL TEORIA CRÍTICA E EDUCAÇÃO, 2004, Araraquara. Anais [...].Araraquara: UNIMED, 2004, p.644-649.

KRAMER, S. Infância, cultura contemporânea e educação contra a barbárie. Revista Teias. v.1, n.2, p.1-14. 2000. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/23857. Acesso em: 04 maio 2020.

MARCUSE, H. Ideologia da sociedade industrial: o homem unidimensional. Trad. Giasone Rebuá. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

MARCUSE, H. Ecologia e crítica da sociedade moderna. Dissonância, Campinas, v.2, n.1-2 (Dossiê Herbert Marcuse), p.190-203, jun.2018. Disponível em: file:///C:/Users/mtbga/Downloads/208-85-PB.pdf. Acesso em: 20 nov. 2021.

MARQUES, C. Chapeuzinho Vermelho. Blumenau: Todolivro, [2008?].

MARX, K; ENGELS, F. Textos sobre educação e ensino. Campinas: Navegando, 2011.

OLIVEIRA, M. R. F. A razão instrumental e os processos semiformativos dos indivíduos: implicações no trabalho docente voltado a primeira infância. In: GASPARIN, J. L. MASHIBA, G. C. X. (orgs,). Os clássicos e a educação: um retorno necessário em tempos de crise. Curitiba: CRV, 2019, p.115-127.

OLIVEIRA, M. R. F.; GALUCH, M. T. B.; GIOVINAZZO JÚNIOR, C. A. Indústria cultural e semiformação: democracia e educação sob ataque nos países ibero-americanos à luz da teoria crítica. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v.14, n.esp.4, p.1883-1898, dez. 2019.

PERRAULT, C. Um conto de fadas Chapeuzinho Vermelho. Trad. Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

Downloads

Publicado

2021-12-29

Como Citar

da Cunha, L. G., Bellanda Galuch, M. T., & Maquiaveli, J. (2021). Clássicos da literatura infantil: implicações da indústria cultural. Horizontes, 39(1), e021066. https://doi.org/10.24933/horizontes.v39i1.1260