A observação como método de análise do trabalho

diferentes modos de apropriação

  • Giselle Reis Brandão PUC Minas
  • Maria Elizabeth Antunes Lima Universidade Federal de Minas Gerais https://orcid.org/0000-0002-6612-1644
  • Renata Bastos Ferreira Antipoff IFMG

Resumo

O ensaio trata dos diferentes modos de apropriação da técnica de observação no contexto da Saúde Mental e Trabalho, da Ergonomia e da Clínica da Atividade. Ele propõe um diálogo entre esses campos do conhecimento a partir das suas bases teóricas, seus objetos de estudo e seus propósitos fundamentais, tendo por foco o modo pelo qual recorrem à observação. A conclusão é a de que cada um deles faz um uso específico dessa técnica, sendo tal uso coerente com seu projeto teórico/prático. Embora se distanciem em alguns aspectos essenciais, todos recorrem à observação de forma rica e pertinente, transformando-a em um recurso metodológico potente. Escapam, portanto, da visão convencional, ao perceberem toda a complexidade presente no ato de observar e reconhecerem o método como um instrumento essencial para a análise do trabalho, seja na coleta de dados, seja na intervenção

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Elizabeth Antunes Lima, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1977), mestrado em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (1986), doutorado em Sociologia do Trabalho pela Universidade de Paris IX (Paris-Dauphine) (1992) e pós-doutorado em Clínica da Atividade pelo Conservatoire National des Arts et Métiers - CNAM (Paris-França). É Professora Titular aposentada pela Universidade Federal de Minas Gerais onde atuou na área de Psicologia do Trabalho, com ênfase em Saúde Mental no Trabalho, pesquisando, principalmente, os seguintes temas: ergoterapia, psicopatologia do trabalho e segurança no trabalho.  (e- mail para contato: antuneslima15@gmail.com) 

Referências

BONNEMAIN, A.; PERROT, E.; KOSTULSKI, K. Le processus d’observation, son développement et ses effets dans la méthode des autoconfrontations croisées en clinique de l’activité. Activités, v.2, n.12, p.98-124, 2015. Disponível em: http://www.activites.org/v12n2/v12n2.pdf. Acesso em: 10 nov. 2017.

CLOT, Y. A função psicológica do trabalho. Petrópolis: Vozes, 2006.

CLOT, Y. Trabalho e poder de agir. Trad. Guilherme João de Freitas e Marlene M. Z. Vianna. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010a.

CLOT, Y. A psicologia do trabalho na França e a perspectiva da clínica da atividade. Fractal: Revista de Psicologia, v.22, n.1, p.207-234, jan-abr., 2010b.

CLOT, Y.; LEPLAT, J. La méthode clinique energonomie et en psychologie du travail. Le Travail Human, v.68, n.4, p.289-316, 2005.

FERNANDES, F. M. B.; MOREIRA, M. R. Considerações metodológicas sobre as possibilidades de aplicação da técnica de observação participante na saúde coletiva. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.23, n.2, p.511-529, 2013.

LIMA, M. E. A; ARAUJO, J. N. G.; LIMA, F. P. A. L.E.R. – dimensões ergonômicas e psicossociais. Belo Horizonte: Health, 1997

ODDONE, I.; RE, A.; BRIANTE, G.; Redécouvrir l´expérience ouvrière: vers une autre psychologie du travail? Paris: Éditions Sociales, 1981.

OUVRIER-BONNAZ, R.; WEILL-FASSINA A. (orgs). Suzanne Pacaud: de la psychotechnique à l’ergonomie – l’analyse du travail en question. Paris: Octarès, 2017.

SUCHMAN, L. Plans and situated actions: the problem of human/machine communication. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

THEUREAU, J. O curso da ação: método elementar -- ensaio de antropologia enativa e ergonomia de concepção. Belo Horizonte: Editora Fabrefactum, 2004.

THEUREAU, J. Les entretiens d’autoconfrontation et de remise en situation par les traces matérielles et le programme de recherche "cours d’action". Revue d’anthropologie des connaissances, v.4, n.2, p.287-322, 2010.

THEUREAU, J. A hipótese da cognição (ou ação) situada e a tradição da análise do trabalho da ergonomia de língua francesa. In: LIMA, F. P. A.; RABELO, L. B. C.; CASTRO, M. G. L. (orgs.). Conectando saberes: dispositivos sociais de prevenção de acidentes e doenças no trabalho. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2015a. p.285-313.

THEUREAU, J. Lições da experiência europeia dos anos 70 e condições de instauração hoje de um processo contínuo de concepção e adequação ergonômicas. In: LIMA, F. P. A.; RABELO, L. B. C.; CASTRO, M. G. L. (orgs.). Conectando saberes: dispositivos sociais de prevenção de acidentes e doenças no trabalho. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2015b. p.315-378.

VARELA, F. Conhecer as ciências cognitivas: tendências e perspectivas. Lisboa: Publicações Instituto Piaget, 1994.

WALLON, H. A evolução psicológica da criança. São Paulo: Livraria Martins Fontes, 1968.

WALLON, H. Les origines du caractère chez l´enfant. Paris: PUF, 1983.

VYGOTSKI, L. Pensée et Langage. Trad. Françoise Séve. 3. ed. Paris: La Dispute, 1997.

VYGOTSKI, L. Conscience, inconscient, émotions. Trad. Françoise Sève et Gabriel Fernandez. Paris: La Dispute, 2003.

VYGOTSKI, L.. La signification historique de la crise em psychologie.Trad. Colette Barras et Jacques Barberis. Paris: La Dispute/Snédit, 2010.

Publicado
2021-08-03
Como Citar
Reis Brandão, G., Lima, M. E. A., & Bastos Ferreira Antipoff, R. (2021). A observação como método de análise do trabalho : diferentes modos de apropriação. Horizontes, 39(1), e021033. https://doi.org/10.24933/horizontes.v39i1.1264
Seção
Seção Temática: Os desafios do trabalho na contemporaneidade