Clínica da atividade e análise institucional: intercessões possíveis

Resumo

O artigo explora possíveis intercessões da clínica da atividade com princípios e conceitos da análise institucional, tendo como pressuposto que há, entre essas abordagens, uma base epistemológica comum, na qual se destacam a importância do princípio de transformar para conhecer e o foco da análise nas tensões que habitam o campo analisado. O principal objetivo deste texto é produzir entrelaçamentos teórico-metodológicos que possam levar a uma ampliação do campo da clínica do trabalho e, em especial, da clínica da atividade. Pensar a experiência do trabalho dando relevo ao universo normativo e às tramas institucionais que a atravessam possibilita, entre outros efeitos, alcançar, na análise, questões atuais como aquelas da interferência do racismo e das lutas antirracistas nos gêneros de atividade em foco.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Referências

ALMEIDA, S. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

AMADOR, F. S. Análise da atividade como prática clínico-institucional nas práticas em saúde mental. 2009. Disponível em: http://www.abrapso.org.br/siteprincipal/images/Anais_XVENABRAPS. Acesso em: 19 out. 2020.

AMADOR, F.; FONSECA, T. M. G. Atividade: o trabalho sob o signo do inacabamento. In: ROSEMBERG, D. S., RONCHI FILHO, J.; BARROS, M. E. B. (orgs.). Trabalho docente e poder de agir: clínica da atividade, devires e análises. Vitória: EDUFES, 2011, p.19-50.
BENTO, M. A. S. Pactos narcísicos no racismo: branquitude e poder nas organizações empresariais e no poder público. 2002, 185f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade de São Paulo, 2002. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-18062019-181514/publico/bento_do_2002.pdf. Acesso em: 19 out. 2020.

CANGUILHEM, G. O conhecimento da vida. Trad. Vera Lucia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

CARDOSO, A. Escravidão e sociabilidade capitalista: um ensaio sobre inércia social. Novos Estudos CEBRAP, n.80, p.71-88, 2008.

CLOT, Y. Le travail entre fonctionnement et développement. Bulletin de Psychologie, v.57, n.1469, p.5-11, 2004.

CLOT, Y. La recherche fondamentale de terrain : une troisième voie. Éducation Permanente, v.177, n.4, p.67-77, 2008.

CLOT, Y. Trabalho e poder de agir. Trad. Guilherme João F. Teixeira e Marlene M. Z. Vianna. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010.

CLOT, Y. O ofício como operador de saúde. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v.16, n. especial, p.1-11. 2013a.

CLOT, Y. A contribuição de Tosquelles à clínica do trabalho. Trad. Cláudia Osório da Silva. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v.22, n.1, p.199-208, jan./abr. 2013b.

CLOT, Y.; FAITA, D. Genres et styles en analyse du travail. Concepts et méthodes. Travailler 4, p.7-42, 2000.

DELEUZE, G. Conversações. Trad. Peter Pál Pelbart. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

DELEUZE, G. Bergson, 1859-1941. In: ORLANDI, L. B. (orgs). A ilha deserta e outros textos. Trad. Lia Guarino. São Paulo: Iluminuras, 2005, p. 13-19.

GUATTARI, F; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 2013.

LOURAU, R. Análise institucional e práticas de pesquisa. Rio de Janeiro: UERJ, 1993.

MBEMBE, A. Políticas da inimizade. Trad. Sebastião Nascimento. São Paulo: n-1edições, 2021.

ODDONE, I.; RE, A., BRIANTE, G. Redécouvrir l’expérience ouvrière : vers une autre psychologie du travail? Trad. Marie-Laure Barsotti. Paris, Messidor, 1981.

OSORIO DA SILVA, C. Psychologie du travail: la santé comme choix éthique. In: LACOMBLEZ, M. (coord.). (Re)découvrir la psychologie du travail au Brésil. Toulouse: Octarès, 2020, p.83-103.
OSORIO DA SILVA, C. Pesquisa e intervenção: movimentos que se cruzam e coexistem, em mútua interferência. In: BANKS-LEITE; L., SMOLKA, A. L. B; DOS ANJOS, D. D. (orgs). Diálogos na perspectiva histórico-cultural: interlocuções com a Clínica da Atividade. Campinas: Mercado das Letras, 2016, p.153-168.

OSORIO DA SILVA, C.; ZAMBONI, J.; BARROS, M. E. B. Clínicas do trabalho e análise institucional. Rio de Janeiro: Nova Aliança Editora e Papéis, 2016.

RODRIGUES, H. C. B.; LEITÃO, M. B.; BARROS, R. D. B. Grupos e instituições em análise. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1992.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

RUIZ, V. S.; ATHAYDE, V.; NOGUEIRA FILHO, I.; ZAMBRONI-DESOUZA, P. C.; ATHAYDE, M. François Tosquelles, sua história no campo da reforma psiquiátrica: desinstitucionalização e suas pistas para uma abordagem clínica do trabalho centrada na atividade. Estudos & Pesquisas em Psicologia. v.13, n.3, p.855-877. 2013.

SCHWARTZ, Y. A comunidade científica ampliada e o regime de produção de saberes. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, n.7, jul/dez., p.38-46. 2000.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? Trad. Sandra Regina G. Almeida, Marcos P. Feitosa e André P. Feitosa. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

TOSQUELLES, F. Le travail thérapeutique en psychiatrie. Paris: Érès, 2009.

TOSQUELLES, F. Frantz Fanon en Saint-Alban (1975). Teoría y Crítica de la Psicología. n.9, p.223-229. 2017. Disponível em: http://www.teocripsi.com/ojs/index.php/TCP/article/view/191/175. Acesso em: 14 out. 2020.
Publicado
2021-08-03
Como Citar
Silva, C. O. da ., Amador, F. S. ., & Oliveira, T. . (2021). Clínica da atividade e análise institucional: intercessões possíveis. Horizontes, 39(1), e021032. https://doi.org/10.24933/horizontes.v39i1.1283
Seção
Seção Temática: Os desafios do trabalho na contemporaneidade