Educação ambiental crítica e ecofeminismo: uma potente lente epistemológica para uma educação ambiental popular e feminista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24933/horizontes.v40i1.1357

Resumo

Este artigo elabora uma reflexão crítica a respeito da articulação da educação ambiental (EA) e do ecofeminismo, ambos de vertente crítica. Para isso, analisa o conceito e as perspectivas da EA e do ecofeminismo, incorporando ao debate a Teoria da Reprodução Social. O objetivo do texto é demonstrar que esta articulação teórica produz uma potente lente epistemológica, a qual permite perceber as opressões que as mulheres enfrentam na sociedade capitalista e patriarcal. Por fim, compreende-se ser urgente que a EA crítica incorpore as perspectivas de gênero e classe em suas análises e considera-se que o ecofeminismo crítico pode contribuir para a construção de uma EA crítica, popular e feminista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Luis Castro de freitas, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Possui graduação em Tecnólogo em Processamento de Dados pela Universidade Católica de Pelotas (1989), graduação em Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas (2001), graduação em bacharelado em Psicologia pela Universidade Católica de Pelotas (2016), especialização em Informática Industrial pelo Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná (1994), especialização em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Pelotas (1995), especialização em Sociopsicodrama pelo Instituto de Desenvolvimento Humano (2019), mestrado em Ciência da Computação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1998), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Pelotas (2012), doutorado em Ciência da Computação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2003) e doutorado em Educação pela Universidade Federal de Pelotas (2016). Atualmente é professor da Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, RS. Tem experiência nas áreas de: Ciência da Computação e Filosofia da Educação. Ênfase em Engenharia de Software, Banco de Dados, Formação Docente e Filosofia e História da Educação. Atua, principalmente, nos seguintes temas: banco de dados, linguagens de programação, educação a distância, tecnologias da informação e comunicação, filosofia da educação e formação de professores. Atualmente, é avaliador do SINAES/Inep e professor permanente do Programa de Pós-graduação em Educação Ambiental - PPGEA, bem como, do Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências - PPGEC, ambos na FURG.

Referências

ARRUZZA, C.; BHATTACHARYA, T.; FRASER, N. Feminismo para os 99%: um manifesto. São Paulo: Boitempo, 2019.

BATTHACHARYA, T. O que é a teoria da reprodução social? Revista Outubro, n.32, p.100-113, 1. sem. 2019. Disponível em: http://outubrorevista.com.br/o-que-e-a-teoria-da-reproducao-social/. Acesso em: 22 nov.2021.

BRANDÃO, C. R. Educação Popular e pesquisa-participante: um falar algumas lembranças, alguns silêncios e algumas sugestões. In: STRECK, D. R.; SOBOTTKA, E. A.; EGGERT, E. (org.) Conhecer e transformar: pesquisa-ação e pesquisa participante em diálogo internacional. Curitiba: CRV, 2014, p.39-73.

DI CIOMMO, R. C. Ecofeminismo e educação ambiental. São Paulo: Editorial Cone Sul; Editora Uniube, 1999.

EGGERT, E. Quando o privado é transformado em política pública. In: EGGERT, E. (org.). Processos educativos no fazer artesanal de mulheres do Rio Grande do Sul. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2011, p.9-13.

FEDERICI, S. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante, 2017.

FRASER, N.; JAEGGI, R. Capitalismo em debate: uma conversa na teoria crítica. São Paulo: Boitempo, 2020.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 60. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

FREITAS, A. L. C.; FREITAS, L. A. A. Retomando a educação ambiental crítica a partir dos pressupostos de Paulo Freire e Enrique Dussel. Horizontes, Itatiba, v.38, n.1, p.1-16, jan.2020. Disponível em: https://revistahorizontes.usf.edu.br/horizontes/article/view/757/427. Acesso em: 15 dez. 2021.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. C. As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Ambiente e Sociedade, São Paulo, v.17, n.1, p.23-40, mar. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/asoc/a/8FP6nynhjdZ4hYdqVFdYRtx/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 19 dez. 2021.

LERNER, G. A criação do patriarcado: história da opressão das mulheres pelos homens. São Paulo: Cultrix, 2019.

LOUREIRO, C. F. B. Premissas teóricas para uma educação ambiental transformadora. Ambiente e Educação: Revista de Educação Ambiental, Rio Grande, v.8, n.1, p.37-57, jan.2003. Disponível em: https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/897/355. Acesso em: 04 mar. 2018.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetórias e fundamentos da educação ambiental. Cortez: São Paulo, 2012.

LOUREIRO, C. F. B. Educação ambiental e epistemologia crítica. Remea: Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande, v.32, n.2, p.159-176, jul. 2015. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/5536. Acesso em: 02 set. 2021.

MENDOZA, C. A. L. Ecofeminismo latinoamericano. Disponível em: http://www.cecies.org/articulo.asp?id=387. Acesso em: 01 maio 2019.

MIES, M. Patriarchy and accumulation on a world scale: women in the international division of labour. London: Zedbooks, 2014. [Edição Kindle].

MIES, M.; SHIVA, V. Ecofeminism. London & New York: Zed Books, 2014.

NETTO, J. P.; BRAZ, M. Economia política: uma introdução crítica. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

PEARCE, D. The feminization of poverty: women, work and welfare. The Urban And Social Change Review, Boston, v.11, n.12, p.28-36, 1978.

PEDRUZZI, A. N. Sobre presenças e ausências na educação ambiental crítica. 2019. 143f. Tese (Doutorado em Educação Ambiental) – Pós-Graduação em Educação Ambiental, Instituto de Educação, Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2019. Disponível em: https://ppgea.furg.br/dissertacoes-e-teses/55-publicacoes-de-2019/569-12241tese-alana-das-neves-pedruzzi. Acesso em: 19 dez. 2021.

PODEWILS, T. L. Educação ambiental como complexo orientador para a práxis humana: uma análise a partir de György Lukács. 2019. 126f. Tese (Doutorado em Educação Ambiental) –Pós-Graduação em Educação Ambiental, Instituto de Educação, Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2019. Disponível em: https://ppgea.furg.br/dissertacoes-e-teses/55-publicacoes-de-2019/567-12236tese-tamires-lopes-podewils. Acesso em: 20 nov.2021.

PULEO, A. H. Ecofeminismo: para otro mundo posible. Madrid: Cátedra, 2018.

REIGOTA, M. O que é educação ambiental. São Paulo: Brasiliense, 2014.

SHIVA, V. La mirada del ecofeminismo. Polis: revista latinoamericana, Santiago, v.9, p.1-10, 2004. Disponível em: https://journals.openedition.org/polis/7270. Acesso em: 10 nov.2018.

TORRES, J. R.; FERRARI, N.; MAESTRELLI, S. R. P. Educação ambiental crítico-transformadora no contexto escolar: teoria e prática freiriana. In: LOUREIRO, C. F. B.; TORRES, J. R. (org.). Educação ambiental: dialogando com Paulo Freire. São Paulo: Cortez, 2014, p.130-167. [Edição Kindle].

TREIN, E. S. Educação ambiental crítica: crítica de que? Revista Contemporânea de Educação, [S. l], v.7, n.14, p.295-308, ago. 2012. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/rce/article/view/1673. Acesso em: 20 set. 2021.

ZEIN, L. F.; SETIAWAN, A. R. General overview of ecofeminism. LaxLars, Indonésia, p.1-10, 2017. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/335441481_General_Overview_of_Ecofeminism. Acesso em: 20 set. 2021.

Downloads

Publicado

13-09-2022

Como Citar

Silva, L. L. T. da, & freitas, A. L. C. de. (2022). Educação ambiental crítica e ecofeminismo: uma potente lente epistemológica para uma educação ambiental popular e feminista. Horizontes, 40(1), e022037. https://doi.org/10.24933/horizontes.v40i1.1357