Cruzar o mar na formação e na ação: narrativas de professores portugueses e brasileiros

Autores

  • Silvia Maria Medeiros Caporale Universidade São Francisco - Doutoranda em Educação
  • Teresa Jacinto Sarmento Universidade do Minho - Professora Auxiliar do Instituto de Educação

DOI:

https://doi.org/10.24933/horizontes.v33i1.171

Palavras-chave:

Narrativas, Formação Docente, Transculturalidade

Resumo

A mobilidade de pessoas entre países é muito comum nos dias de hoje, e ao movimentarem-se as pessoas levam consigo saberes, experiências e propósitos. Assim acontece com alguns professores que fazem a sua formação no Brasil e mais tarde exercem a docência em Portugal; assim acontece também com professores que se formam em Portugal e desenvolvem a sua ação docente no Brasil. É neste caminho de ida e volta que, no contato direto com professoras que fizeram estas viagens, procuramos analisar como as mesmas mobilizam para as suas narrativas os seus saberes e experiências para se desenvolverem como profissionais e darem as melhores respostas aos seus alunos, em países que as acolhem após esse período formativo. As conclusões apontam para um amplo conjunto de indicadores da identidade de ser professor, como, a interação ser a base de toda a ação educativa, a riqueza que o cruzamento de saberes e experiências proporciona e a pertinência da contextualização educativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvia Maria Medeiros Caporale, Universidade São Francisco - Doutoranda em Educação

Silvia Caporale é Licenciada em Matemática, Mestre e Doutoranda em Educação na Universidade São Francisco, onde também participa do Grupo de Estudos e Pesquisas HIFOPEM – Histórias de formação de professores que ensinam Matemática. Atualmente é Professora do Departamento de Ciências Exatas da Universidade Federal de Lavras.

 

Teresa Jacinto Sarmento, Universidade do Minho - Professora Auxiliar do Instituto de Educação

Teresa Sarmento realizou doutoramento em Estudos da Criança, com uma investigação em identidades profissionais. Atualmente é Professora Auxiliar no Instituto de Educação – Universidade do Minho, onde tem se dedicado à docência e à investigação sobre as problemáticas da formação de professores, da infância, histórias de vida de profissionais da educação, e da relação escola-famílias-comunidades. 

Referências

ALARCÃO, Isabel. Professor-Investigador. Que sentido? Que formação? In: Campos, B. (Org). Formação Profissional de Professores no Ensino Superior. Porto: Porto Editora, 2001. p. 21-30.

ALONSO, Luísa G. Inovação Curricular, Formação de Professores e melhoria da escola – uma abordagem reflexiva e reconstrutiva sobre a prática da inovação/formação. Braga: IEC-UM (policopiado), 1998.

CANÁRIO, R. A prática profissional na formação de professores. In: Campos, B. (Org), Formação Profissional de Professores no Ensino Superior.Porto: Porto Editora, 2001. p. 31-45.

FORMOSINHO, J. Universitisation of teacher education. Gassner Otmar (Ed.) Strategies of change in teacher education: European views. Feldkirch, Austria: ENTEP (European Network on Teacherducation Policies), 2002. p. 105 – 127.

FOUCAULT, M. (2002).Desespacesautres, Héterotopies. In: Ditsetécrits. France: ÉditionsGallimard.

HOLLY, Mary; WALLEY, Carl.Teachers as professionals. In: Mary Louise Holly &Caven S, Mcloughlin (Orgs.). Perspectives on Teacher Professional Development. Londres: The Falmer Press, 1989.

MARCELO, Carlos. Formación del profesorado para el cambio educativo. Barcelona: PPU, 1994.

NACARATO, Adair Mendes e PASSEGGI, Maria da Conceição. Olhar para si e superar marcas deixadas pela matemática escolar: reflexões de uma futura professora sobre seu percurso de formação. In: OLINDA, Ercília M. B. de. (Org). Artes do Sentir: trajetórias de vida e formação. Fortaleza: Edições UFC, 2012. p. 208 – 225.

NÓVOA, Antônio. Formação de professores e profissão docente. NÓVOA, Antônio (Coord.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1997. p. 15 – 33.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia. O Desenvolvimento Profissional das educadoras de Infância - um estudo de caso.Braga: IEC-UM, 1998. (Tese de Doutoramento)

PASSEGGI, Maria da Conceição. Entre a vida e a educação: pesquisa (auto)biográfica, docência e profissionalização. In:Educação em Revista, 27 (1), 2011. p. 369-386.

____________________________. A experiência em formação. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/8697. Acesso em: 10.set.2013.

PEIXOTO, P. Multiculturalismo, transculturalisnmo e heterogénese urbana: composições da diversidade para a produção do transconhecimento. In Visões, Revista Cientìfica da Faculdade Salesiana Mª Auxiliadora, nº7, 2009. p. 50-69.

ROLDÃO, Mª Céu. A formação como projecto. Do plano mosaico ao currículo como projecto de formação. in Campos, B. (Org).Formação Profissional de Professores no Ensino Superior. Porto: Porto Editora, 2001. p. 6 -20.

SARMENTO, Teresa. Histórias de vida de educadores de infância. Lisboa: IEE, 2002.

SHULMAN, Lee. Ways of seeing, ways of knowing: ways of teaching, ways of learning about teaching. Journal of Curriculum Studies, 23-5, 1991. p. 393-395.

SPODEK, Bernard; SARACHO, Olivia; PETERS, Donald. Professionalism and the Early Childhood Practitioner.New York: Teachers College Press, 1998.

WILLMS, E. e CARVALHO, A. O tema gerador no estágio do curso de pedagogia do ICHS/CUR/UFMT: pressupostos teóricos. In: Rocha, S. (Org) Formação de Professores e práticas em discussão. Cuiabá: EdUFMT, 2008. p. 21-37.

Downloads

Publicado

2015-08-09

Como Citar

Caporale, S. M. M., & Sarmento, T. J. (2015). Cruzar o mar na formação e na ação: narrativas de professores portugueses e brasileiros. Horizontes, 33(1). https://doi.org/10.24933/horizontes.v33i1.171