Entre maçãs e números: a sala de aula de matemática, políticas cognitivas e educação matemática

Autores

  • Sônia Maria Clareto Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG.

DOI:

https://doi.org/10.24933/horizontes.v31i1.19

Resumo

A proposta deste artigo é investigar políticas cognitivas praticadas na educação matemática junto a uma sala de aula. O que se pretende é problematizar as noções de cognição e de aprendizagem matemática na sala de aula, junto a relato cartográfico de evento em uma pesquisa de campo, em curso na investigação na qual este artigo se enreda. Neste evento, investigado segundo uma abordagem cartográfica, é travado um diálogo entre professora e alunos em torno da comparação de números. São destacadas as noções de práticas cognitivas e de aprendizagem, perspectivadas pela noção de invenção. O que se pretende é produzir uma torção nos modos de compreender e praticar a aprendizagem na educação matemática, trazendo para o debate uma compreensão de aprendizagem inventiva como constituição mútua si-matemática, a partir do encontro com Friedrich Nietzsche e Gilles Deleuze.

Palavras-chave: Aprendizagem inventiva; Filosofias da diferença; Comparação de números.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sônia Maria Clareto, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG.

Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG.

Downloads

Publicado

2013-06-30

Como Citar

Clareto, S. M. (2013). Entre maçãs e números: a sala de aula de matemática, políticas cognitivas e educação matemática. Horizontes, 31(1). https://doi.org/10.24933/horizontes.v31i1.19