A educação formal nas obras de Hannah Arendt e Carl. G. Jung: possíveis diálogos com a modernidade

Renata Fernandez Targino

Resumo


O artigo busca, por meio de um levantamento teórico sobre as concepções de educação formal presentes na obra da filósofa Hannah Arendt e o do Psiquiatra Carl G. Jung, pai da Psicologia Analítica, refletir sobre os objetivos da Escola para tais autores e estabelecer algumas relações com jargões educacionais presentes atualmente tais como educar para mudar o mundo ou educar para o desenvolvimento de competências. Acredita-se que a Escola
em nossa época acabou por deturpar seu compromisso em apresentar o mundo às novas gerações, além de ter lançado ao esquecimento sua importância social e psíquica em levar a criança do ambiente familiar para mundo público.
Palavra chave: Educação Formal; Psicologia Analítica; Hannah Arendt.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.24933/horizontes.v31i1.26

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Horizontes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Universidade São Francisco
CNSP-ASF | Casa de Nossa Senhora da Paz - Ação Social Franciscana

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia