Reflexões sobre a educação escolar quilombola: elementos para a prática docente

Autores

  • Evanilson Tavares de França Secretaria de Estado da Educação - SEED/SE. GEPIADDE/UFS
  • Maria Batista Lima Professora da Universidade Federal de Sergipe (UFS)

DOI:

https://doi.org/10.24933/horizontes.v33i2.260

Palavras-chave:

Quilombo, currículo, educação escolar quilombola

Resumo

Resumo
A compreensão de quilombo como território de resistência e preservação da cultura de base africana perpassa os discursos de pesquisadores diversos, como Almeida, O’Dwyer e Arruti, inserindo-se nas análises deste último as ressemantizações sofridas pelo termo e os determinantes históricos que as trouxeram à luz. A ressemantização, ainda segundo Arruti, que interpreta quilombo como território de resistência, vai compor as bandeiras do Movimento Negro Unificado (MNU). Por outro lado, o entendimento de currículo como relação de poder e como instrumento/estratégia capaz de interferir na formação do outro revela o quanto este instituto pedagógico é capaz de inserir/excluir, empoderar/fragilizar, desvelar/camuflar. É neste cenário de entendimentos que se insere
este artigo, objetivando pensar/propor saberes capazes de fomentar a Educação Escolar Quilombola nos
territórios dos remanescentes quilombos e nas unidades de ensino que atendem a estudantes originários/as daquelas comunidades. Para tanto, construímos diálogos com as legislações (vigentes) e com teóricos que abordam a temática.
Palavras-chave: quilombo; currículo; educação escolar quilombola.

Reflections on quilombola school education: elements for teaching practice

Abstract
The understanding of a quilombo as a resistance territory and african culture preservation territory permeates the words of several researchers, such as Almeida, O’Dwyer and Arruti, being inserted in the last author’s analysis the changes in meaning suffered by the expression and the historical determinants which brought those to light.
– It’s precisely the change in meaning, still according to Arruti, who interprets a quilombo as a space/time of resistance that will compose the flags of the United Black Movement (UBM). On the other hand, the understanding of curriculum as a power relation and as a tool/strategy capable of interfering in the formation of other emphasizes how much this pedagogic institute is able to insert/exclude, empower/weaken, revealing/hiding. It is in such a scenario of thoughts and understandings that this article is inserted, aiming to think/propose knowledges capable of promoting Quilombola School Education in the territories of the remaining quilombos and at the educational units that assist students originated/from that community. To do so, we have established dialogues with legislations (in effect) and also with theorists who do research on the topic.
Keywords: quilombo; curriculum; quilombola school education.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evanilson Tavares de França, Secretaria de Estado da Educação - SEED/SE. GEPIADDE/UFS

Mestre em Ensino de Ciências Naturais e Matemática (Universidade Federal de Sergipe/UFS), graduado
em Pedagogia. Professor e Pedagogo da Rede Estadual de Educação (SEED/SE). Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas Identidades e Alteridades: Diferenças e Desigualdades na Educação (GEPIADDE/UFS). Membro do Grupo de Estudos Ensino de Ciências e Matemática, Diversidade e Ambiente/UFS.

Maria Batista Lima, Professora da Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Professora do Departamento de Educação do Campus Itabaiana (UFS) e do Núcleo de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática (NPGECIMA). Pesquisadora do Grupo de estudos e Pesquisas Identidades e Alteridades: Diferenças e Desigualdades na Educação (GEPIADE/UFS) e do Grupo de Pesquisa Educação e Contemporaneidade (EDUCON/UFS).

 

Referências

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. Os quilombos e as novas etnias. In: O’DWYER, Eliane Cantarino. Quilombo: identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002.

ARRUTI, José Maurício Andion. Quilombos. In: Raça: Perspectiva Antropológica, 2008. Disponível em < http://pt.slideshare.net/FrancilisEnes/arruti-jose-quilombos>. Acesso em 18 de junho de 2015.

BRASIL. Constituição Federal (1988). Brasília, 2007. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em 23 de junho de 2015.

BRASIL. Decreto N.º 4.887, de 20 de novembro de 2003. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2003/d4887.htm>. Acesso em 23 de junho de 2015.

BRASIL. Decreto N.º 6.040, de 07 de fevereiro de 2007. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm>. Acesso em 23 de junho de 2015.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais gerais da Educação Básica. MEC/SEB/SECADI, 2013.

BRASIL. Lei 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm>. Acesso em 23 de junho de 2012.

BRASIL. Lei 11.645, de 10 de março de 2008. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm>. Acesso em 23 de junho de 2012.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN 9394/96). Brasília: MEC, 1997.

BRASIL. Programa Brasil Quilombola. Brasília: SEPPIR, 2004. Disponível em <http://www.seppir.gov.br/publicacoes/brasilquilombola_2004.pdf>. Acesso em 23 de junho de 2015.

BRASIL. Resolução N.º 01/2004, de 17 de junho de 2004. Disponível em < http://www.uel.br/projetos/leafro/pages/arquivos/DCN-s%20-%20Educacao%20das%20Relac oes %20 Etnico-Raciais.pdf >. Acesso em 23 de março de 2015.

BRASIL. Resolução CNE/CEB N.º 08/2012, de 20 de novembro de 2012. Disponível em <http://www.seppir.gov.br/arquivos-pdf/diretrizes-curriculares>. Acesso em 23 de junho de 2012.

BRASIL/CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer CNE/CEB N.º 07/2010, aprovado em 07 de abril de 2010.

CHARLOT, Bernard. Relação com o Saber, Formação de Professores e Globalização – questões para a educação hoje. Porto Alegre: Artmed, 2005.

CUNHA JÚNIOR, Henrique. Afroetnomatemática, África e Afrodescendência. In: CAVALCANTI, Bruno César et. al.(org.). Kulé-kulé: visibilidades negras. EDUFAL, 2006.

CUNHA JÚNIOR, Henrique. Tecnologia africana na formação brasileira. Rio de Janeiro: CEAP, 2010.

DOMINGUES, Petrônio. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. In: Tempo [online], vol.12, n.23, 2007. ISSN 1413-7704.

FONSECA, Dagoberto José. Vovó Nanã vai à escola. São Paulo: FTD, 2009.

FORQUIN, Jean-Claude. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1993.

FRANÇA, Evanilson Tavares de. Escola e cotidiano: um estudo das percepções matemáticas da comunidade quilombola Mussuca em Sergipe. Universidade Federal de Sergipe, 2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

GERDES, Paulus. Da Etnomatemática a arte-design e matrizes cíclicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2010a.

GERDES, Paulus. Desenhos da África. São Paulo: Scipione, 1997.

GERDES, Paulus. Desenhos de Angola: viver a matemática. São Paulo: Editorial Diáspora, 2010b.

GONÇALVES, Luiz Alberto Oliveira; SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Movimento negro e educação. In: Revista Brasileira de Educação. Set/Out/Nov/Dez 2000, Nº 15.

GILROY, Paul. O Atlântico negro. São Paulo: Editora 34; Rio de Janeiro: Universidade Cândido Mendes, Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2012.

HALL, Stuart. A Identidade Cultural na Pós-modernidade. Rio de Janeiro : DP &A, 2006.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

LIMA, Maria Batista; TRINDADE, Azoilda Loretto. Africanidades, Currículo e Formação Docente: desafios e possibilidades. In: MELO, Marcos Ribeiro de; LIMA, Maria Batista; LOPES, Edinéa Tavares. Identidades e Alteridades: debates e práticas a partir do cotidiano escolar. São Cristóvão/SE: UFS, 2009.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de Currículo. São Paulo: Editora Cortez, 2011.

MACEDO, Roberto Sidnei. Atos de Currículo: uma incessante atividade etnometódica e fonte de análise de práticas curriculares. In: Currículo sem Fronteiras, v. 13, n. 3, p. 427-435, set./dez. 2013. Disponível em <http://www.curriculosemfronteiras.org/vol13iss3articles /macedo.pdf>. Acesso em 13 de março de 2015.

MIRANDA, Shirley Aparecida de. Educação Escolar Quilombola em Minas Gerais: entre ausências e emergências. In: Revista Brasileira de Educação, v. 17, n. 50, maio-ago, 2012.

MUNANGA, Kabengele. Algumas considerações sobre “raça”, ação afirmativa e identidade negra no Brasil: fundamentos antropológicos. In: Revista USP, São Paulo, n. 68, p. 46-57, dezembro/fevereiro, 2005-2006.

NIDELCOFF, María Teresa. Uma escola para o povo. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

O’DWYER, Eliane Cantarino. Quilombo: identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002.

OLIVEIRA, Cristiane Coppe de. O programa Etnomatemática e o contexto étnico-racial na prática docente. In: XIII CIAEM-IACME, Recife, 2011. Disponível em < http://www.cimm.ucr.ac.cr/ocs/index.php/xiii_ciaem/xiii_ciaem/paper/viewFile/2154/1207

>. Acesso em 22 de março de 2012.

OLIVEIRA, Cristiane Coppe de. Saberes e fazeres etnomatemáticos de matriz africana. Rio de Janeiro: CEAP, 2012.

OLIVEIRA, Cristiane Coppe de. O Programa Etnomatemática e as possibilidades de implementação da Lei n.º 10639/03. In: BRANDÃO, Ana Paula (org.). Modos de fazer: caderno de atividades, saberes e fazeres. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 2010.

SACRISTÁN, J. Gimeno. O Currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: ArtMed, 2000.

SANTOS, Carlos. Território e territorialidade. In: Revista Zona de Impacto, ISSN 1982-9108, vol. 12, jul/dez, ano XI, 2009. Disponível em <http://www.albertolinscaldas.unir.br/TE RRIT%C3%93RIO%20E%20TERRITORIALIDADE_vol12.html>. Acesso em 27 de junho de 2015.

SCHMITT, Alessandra; TURATTI, Maria Cecília Manzoli; CARVALHO, Maria Celina Pereira de. A atualização do conceito de quilombo: identidade e território nas definições teóricas. Ambient. soc. [online]. 2002, n.10, pp. 129-136. ISSN 1809-4422.

SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Documentos de Identidade: uma introdução às teorias de currículo. São Paulo: Autêntica, 2003.

TRINDADE, Azoilda Loretto. Valores civilizatórios afro-brasileiros e educação infantil: uma contribuição afro-brasileira. In: BRANDÃO, Ana Paula; TRINDADE, Azoilda Loretto (org.). Caderno de atividades saberes e fazeres. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 2010.

Downloads

Publicado

2015-12-20

Como Citar

França, E. T. de, & Lima, M. B. (2015). Reflexões sobre a educação escolar quilombola: elementos para a prática docente. Horizontes, 33(2). https://doi.org/10.24933/horizontes.v33i2.260