Referenciamento ou solidão: o coletivo profissional como operador de saúde, desenvolvimento e adoecimento na atividade de trabalho

Letícia Raboud M. de Andrade, Jorge Falcão

Resumo


Este trabalho ampara-se nos resultados de uma pesquisa que deu suporte à posterior elaboração de dissertação de mestrado cujo foco voltou-se à atividade de professores pedagogos dos anos iniciais do ensino fundamental da rede municipal de Natal/RN. O artigo fundamenta-se no referencial teórico da clínica da atividade e resgata alguns resultados, enfocando e aprofundando-se na discussão sobre a relevância do coletivo profissional como operador de saúde/desenvolvimento e sofrimento/adoecimento quando da ausência/fragilidade de referenciamento pelo coletivo, o que pode estar relacionado à percepção de solidão laboral.  


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.24933/horizontes.v35i3.560

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Horizontes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Universidade São Francisco
CNSP-ASF | Casa de Nossa Senhora da Paz - Ação Social Franciscana

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia