A retenção nos cursos de graduação do IME/UFG

Autores

  • Chaiane de Medeiros Rosa Universidade Federal de Goiás (UFG)
  • Fabiano Fortunato Teixeira dos Santos Universidade Federal de Goiás (UFG)

DOI:

https://doi.org/10.24933/horizontes.v36i3.579

Resumo

Este estudo buscou compreender o fenômeno da retenção nos cursos do Instituto de Matemática e Estatística da Universidade Federal de Goiás. Para tanto, foi realizada uma pesquisa quanti-qualitativa, com base em microdados fornecidos pela Pró-Reitoria de Graduação, dados do Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas, além de respostas a um questionário eletrônico aplicado aos alunos retidos. Como resultado, este estudo revelou que a retenção está relacionada a múltiplos fatores, como: vulnerabilidade socioeconômica; dificuldade de conciliar trabalho e estudo; problemas didáticos/pedagógicos por parte dos professores; excesso de reprovações; alto nível de exigência; e elevado grau de dificuldade do curso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Chaiane de Medeiros Rosa, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Doutora em Educação Escolar pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), câmpus Araraquara (2016). Mestra em Educação pela Universidade Federal de Goiás (UFG), câmpus Catalão (2013). Especialista em Português Jurídico pela Faculdade Integrada Grande Fortaleza (FGF) (2013). Graduada em Licenciatura Plena em Letras - Português, pela Universidade Federal de Goiás (UFG), câmpus Catalão (2009). Técnica em assuntos educacionais na UFG.

Fabiano Fortunato Teixeira dos Santos, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Doutor em Matemática pela Universidade de Brasília (UnB) (2011), Mestre em Matemática pela Universidade Federal de Goiás (UFG) (2002), licenciado em Matemática pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) (1998). É professor adjunto da UFG, lotado no curso de Estatística, onde é probabilista. 

Downloads

Publicado

2018-12-07

Como Citar

Rosa, C. de M., & Santos, F. F. T. dos. (2018). A retenção nos cursos de graduação do IME/UFG. Horizontes, 36(3), 200–216. https://doi.org/10.24933/horizontes.v36i3.579