Dos Direitos de Aprendizagem e do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa à Base Nacional Comum Curricular: o caso da alfabetização matemática

Autores

  • Emerson Rolkouski Universidade Federal do Paraná - UFPR Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e em Matemática http://orcid.org/0000-0001-7961-4715

DOI:

https://doi.org/10.24933/horizontes.v36i1.628

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar e discutir a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) desde a escrita do documento Elementos Conceituais e Metodológicos para a Definição dos Direitos de Aprendizagem e Desenvolvimento do Ciclo de Alfabetização do Ensino Fundamental no ano de 2012 e do movimento formativo ocorrido nos anos de 2012 a 2017 disparado pelo Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa até a sua versão final (quarta versão) publicada em 2017, particularmente no que tange à alfabetização matemática. Para tanto, apresenta-se a estrutura dos documentos considerados, apontando, na sequência, as ausências, os afastamentos e novas aproximações presentes na Base Nacional Comum Curricular que resultaram em uma proposta reducionista, sobretudo no Ciclo de Alfabetização e particularmente na alfabetização matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emerson Rolkouski, Universidade Federal do Paraná - UFPR Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e em Matemática

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal do Paraná (1999), mestrado em Educação pela mesma instituição (2002) e doutorado em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2006). Professor da Educação Básica durante vários anos, atualmente é professor associado da Universidade Federal do Paraná onde desenvolve atividades de pesquisa, ensino e extensão na área de Educação Matemática.

Downloads

Publicado

2018-04-30

Como Citar

Rolkouski, E. (2018). Dos Direitos de Aprendizagem e do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa à Base Nacional Comum Curricular: o caso da alfabetização matemática. Horizontes, 36(1), 119–131. https://doi.org/10.24933/horizontes.v36i1.628