Subjetividades des(re)territorializadas no ensino de filosofia: uma análise das práticas e saberes de professores não graduados em filosofia

Daniel Santini Rodrigues

Resumo


O Ensino de Filosofia no Brasil atravessa um período de incertezas diante da lei de Reforma do Ensino Médio, de 2017 e com a sua nova Base Nacional Comum Curricular. Diante disso, deseja-se pensar a contribuição da Filosofia no currículo do Ensino Médio e nos efeitos que essa presença provoca nos sujeitos-professores desta disciplina, de modo especial, os não graduados em Filosofia. Este artigo fundamenta-se nos estudos de Michel Foucault, de Gilles Deleuze e de Félix Guattari, que apresentam conceitos que servirão para analisar a constituição da subjetividade des(re)territorializada a partir das “escritas de si” destes professores. Espera-se despertar a resistência na comunidade acadêmica diante das imposições da macroestrutura, consciente da responsabilidade que a Filosofia traz em si.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.24933/horizontes.v37i0.783

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Horizontes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Universidade São Francisco
CNSP-ASF | Casa de Nossa Senhora da Paz - Ação Social Franciscana

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia