Oportunidades e desafios no ensino superior: experiências de universitários de camadas populares da Universidade Federal de Ouro Preto

Resumo

Esse artigo apresenta resultados de entrevistas com universitários cotistas, de baixa renda, ingressantes no início de 2013 em cursos prestigiosos da Universidade Federal de Ouro Preto. Para as entrevistas foram selecionados seis estudantes de baixa renda, pertencentes aos cursos de Medicina, Direito e Engenharia Civil. À luz da Sociologia da Educação, buscou-se nos relatos, compreender as condições de acesso e permanência, e conhecer as experiências, oportunidades e desafios dos cotistas de baixa renda na graduação. Os depoimentos revelaram que, embora enfrentem dificuldades financeiras, acadêmicas e de sociabilidade principalmente no início do curso, esses jovens apresentam disposições que culminam em oportunidades de crescimentos acadêmico, pessoal e profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mariza Aparecida Costa Pena, Universidade Federal de Ouro Preto
Mestre em Educação pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Técnica-administrativa na Universidade
Federal de Ouro Preto (UFOP).
Rosa Maria da Exaltação Coutrim, Universidade Federal de Ouro Preto
Doutora em Sociologia e Política pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Docente/Pesquisadora na Universidade
Federal de Ouro Preto (UFOP), Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Departamento de Educação. Líder do Núcleo
de Estudos Sociedade, Família e Escola (NESFE). Membro do Observatório Sociológico, Família e Escola (OSFE).
Daniel Abud Seabra Matos, Universidade Federal de Ouro Preto
Doutor em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Docente/Pesquisador na Universidade Federal de Ouro Preto
(UFOP), Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Departamento de Educação. Líder do Núcleo de Avaliação Educacional (NAVE).
Membro do Observatório Sociológico, Família e Escola (OSFE).

Referências

BATISTA, N. M. L. Trajetórias de sucesso escolar de jovens oriundos de escolas públicas no ensino superior. 2016. 185 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba, 2016.

BOURDIEU, P.; CHAMPAGNE, P. Os excluídos do interior. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. (Orgs.). Escritos de educação. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2013a, p. 243-255.

BOURDIEU, P. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, M. A.;CATANI, A. (Orgs.). Tradução de Magali de Castro. Escritos de Educação. 1.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013b. p. 43-72.

BRASIL. Lei nº. 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Brasília, 2012.

BRASIL. Lei no. 13.409, de 28 de dezembro de 2016. Altera a Lei no. 12.711, de 29 de agosto de 2012, para dispor sobre a reserva de vagas para pessoas com deficiência nos cursos técnico de nível médio e superior das instituições federais de ensino. Brasília, 2016.

COULON, A. A condição de estudante: a entrada na vida universitária. Tradução de Georgina Gonçalves dos Santos e Sônia Maria Rocha Sampaio. Salvador: EDUFBA, 2008. 278 p.

COUTRIM, R. M. E; PENA, M. A. C.; SOUSA, L. P. de. Ação Afirmativa em Foco: táticas e estratégias de candidatos para burlar a Lei de Cotas em uma universidade pública. Rev. educ. PUC-Camp., Campinas, v.23(2), maio/ago. 2018.

FALCÃO, B. L. Um diploma de doutor a não “herdeiros”: um estudo sobre impactos de cursos de alto prestígio da UFMG para egressos das camadas populares. 2012. 130 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Censo da educação superior 2010: resumo técnico. Brasília: INEP, 2012. 85 p.

LACERDA, W. M. G. Famílias e filhos na construção de trajetórias escolares pouco prováveis: o caso dos iteanos. 2006. 417 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Centro de Estudos Sociais Aplicados, Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2006.

LAHIRE, B. Sucesso escolar nos meios populares: as razões do improvável. Tradução de Ramon Américo Vasques e Sonia Goldefer. São Paulo: Ática, 1997. 367 p.

NOGUEIRA, C. M. M; NOGUEIRA, M. A. Os herdeiros: fundamentos para uma Sociologia do Ensino Superior. Educação e Sociedade, Campinas, v. 36, n. 130, p. 47-62, jan./mar. 2015.

NOGUEIRA, M.O. Pais professores e a escolarização dos filhos. 2011. 267 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação: Conhecimento e Inclusão Social, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

PENA, M, A. C. Os caminhos dos estudantes participantes da Política de Ação Afirmativa na Universidade Federal de Ouro Preto, suas oportunidades e desafios no Ensino Superior. 2017. 260p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Departamento de Educação, Universidade Federal de Ouro Preto, 2017.

PEREIRA, L. S. Trabalhar e estudar, eis a questão: os desafios enfrentados pelos estudantes trabalhadores da Universidade Federal de Ouro Preto. 2016. 280 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2016.

PIOTTO, D. C. (org.). Camadas populares e universidades públicas: trajetórias e experiências escolares. São Carlos: Pedro & João Editores, 2014. 273 p.

PIOTTO, D. C. As exceções e suas regras: estudantes das camadas populares em uma universidade pública. 2007. 361 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

PIOTTO, D. C; ALVES, Renata Oliveira. O ingresso de estudantes das camadas populares em uma universidade pública: desviando do ocaso quase por acaso. Revista Educ. PUC-Campinas, Campinas, v. 21, n. 2, p. 139-147, maio/ago., 2016.

PORTES, E. A. A vida universitária de estudantes pobres na UFMG: possibilidades e limites. In: PIOTTO, D. C. (org.). Camadas populares e universidades públicas: trajetórias e experiências escolares. São Carlos: Pedro & João Editores, 2014, p. 167-237.

PORTES, E. A. Trajetórias escolares e vida acadêmica do estudante pobre da UFMG: um estudo a partir de cinco casos. 2001. 267 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001.

PORTES, E. A; LOPES E SILVA, C. C. Os efeitos do capital cultural na distribuição dos privilégios universitários: o caso dos bolsistas de iniciação científica da UFSJ. Tempos e Espaços, Sergipe, v. 6, p. 57-62, 2011.

PORTES, E. A; SOUSA, L. P. O nó da questão: a permanência de jovens dos meios populares no ensino público superior. In: SANTOS, Georgina Gonçalves dos; SAMPAIO, Sônia Maria Rocha (orgs.). Observatório da vida estudantil: universidade, responsabilidade social e juventude. Salvador: EDUFBA, 2013, p. 59-79.

RODRIGUES, E. C; MATOS, D. A. S; FERREIRA, A. S.. Nível socioeconômico e ensino superior: cálculo e aplicações. Avaliação, Campinas, 2017. (no prelo).

SETTON, M. da G. J.. Experiências de socialização e disposições híbridas de habitus. In: DAYRELL, Juarez et al. (org.). Família, escola e juventude: olhares cruzados Brasil-Portugal. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012, p. 38-55.

SETTON, M. G. J. Um novo capital cultural: pré-disposições e disposições à cultura informal nos segmentos com baixa escolaridade. Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 90, p. 77-105, jan./abr. 2005.

SILVA, J. S. e. “Por que uns e não outros?”: caminhada de estudantes da Maré para a universidade. 1999. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 1999.

SOUZA, I. de. Estudo, estudar, ser estudante no Ensino Superior: condições gerais imanentes e contexto socioeconômico cultural das classes populares. Revista Labor, v. 1, n. 16, p. 112-136, 2016.

SOUZA, M. do S. N. M. de. Estudantes de origem popular nos cursos mais seletos a UFAC. In: PIOTTO, Débora Cristina (org.). Camadas populares e universidades públicas: trajetórias e experiências escolares. São Carlos: Pedro & João Editores, 2014, p. 89-132.

SOUZA, M. do S. N. M. de . Do seringal à universidade: o acesso das camadas populares ao Ensino Superior público no Acre. 2009. 214 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-graduação, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

SZYMANSKI, H. Entrevista reflexiva: um olhar psicológico sobre a entrevista em pesquisa. In: SZYMANSKI, Heloísa (org.). A entrevista na pesquisa em educação: a prática reflexiva. Brasília: Plano, 2002, p. 9-61.

VIANA, M. J. B. Disposições temporais de futuro e longevidade escolar em famílias populares. Perspectiva, Florianópolis, v. 27, n. 1, p. 195-215, jan./jun. 2009.

VIANA, M. J. B. Longevidade escolar em famílias de camadas populares: algumas condições de possibilidade. 1998. 240 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1998.

Publicado
2021-04-24
Como Citar
Pena, M. A. C., Coutrim, R. M. da E., & Matos, D. A. S. (2021). Oportunidades e desafios no ensino superior: experiências de universitários de camadas populares da Universidade Federal de Ouro Preto. Horizontes, 39(1), e021010. https://doi.org/10.24933/horizontes.v39i1.812