Trabalho Docente na Educação a Distância: reflexões que o professor conferencista faz sobre o seu processo de trabalho

Autores

  • alberti do rocio alberti comparin Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.24933/horizontes.v33i1.84

Palavras-chave:

Trabalho docente, tecnologias de informação e comunicação,

Resumo

Esse artigo apresenta os principais resultados sobre o processo de trabalho do professor conferencista, obtidos a partir da tese de doutorado “Concepções e tendências do trabalho docente na educação a distância”, desenvolvida por meio de um estudo de caso realizado em um Instituto Federal do país, entre os anos de 2011 a 2013, e que teve como objetivo investigar como se desenvolve o trabalho dos docentes mediado pelas tecnologias de informação e comunicação (TIC) no Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. A pesquisa foi desenvolvida com base em informativos e documentos impressos e digitais cedidos pelo instituto, além da realização de entrevistas com a coordenação do curso. A partir da pesquisa empírica, foi possível demonstrar as elaborações conceituais e as contradições presentes no desenvolver do trabalho docente no curso e a percepção que apresentam desse trabalho, mediado pelas TIC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Qualificar os profissionais que atuam em todos os níveis da Administração Pública, oferecendo elementos que irão contribuir para a formação de gestores públicos. Permitir a compreensão da complexidade e diversidade que compõem os aspectos centrais da gestão pública. Indicar ferramentas que possam intervir concretamente para a melhoria da performance do gestor público, auxiliando na busca de alternativas e soluções. Conceder a oportunidade de ampliação de conhecimentos, permitindo maior eficácia e eficiência no exercício das atividades (PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO, 2008, p. 10).

Neste projeto as atribuições do professor conferencistas, do tutor a distância e presencial são bem distintas, no entanto interligadas. Cada uma delas tem um papel imprescindível e para exercer suas responsabilidades dentro de todo o processo deve possuir um perfil profissional com as habilidades e competências inerentes à função (PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO, 2011, p. 45)

Os professores conferencistas são os responsáveis pela apresentação do conteúdo durante as teleaulas, bem como pelo material de aulas e elaboração das provas e atividades supervisionadas, sendo estas duas últimas também integrantes da ferramenta de avaliação de desempenho dos alunos (PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO, 2011, p. 43)

(...) em um desafio pedagógico, técnico e administrativo para as instituições envolvidas e é preciso que se invista na melhoria da qualidade do processo de ensino/aprendizagem. Sendo assim, é importante que se conheça melhor os modos de se produzir os cursos a distância por videoconferência para permitir que não apenas os grandes centros, mas as instituições de todo país possam usufruir desse conhecimento, associar-se e repartir esforços no sentido de expandir a formação universitária brasileira (CRUZ, 2001, p. 20)

(...) virtualizada, ao permitir que a aprendizagem ocorra numa interação de co-presença mediada entre professores e alunos. Virtualizada porque a aula pela videoconferência permite que um grupo humano desterritorializado, não-presente, compartilhe um tempo comum, sincrônico, mas quase independente de um lugar geográfico: “a sincronização substitui a unidade de lugar, a interconexão, a unidade de tempo. Mas, novamente, nem por isso o virtual é imaginário. Ele produz efeitos”, comodiria Lévy (1996, p. 21). Um dos efeitos pode ser o de que, embora não se saiba “onde”, a conversação tem lugar. A videoconferência virtualiza a sala de aula porque problematiza o papel do professor. Ao incluir a obrigatoriedade do conhecimento tecnológico como condição de existência da aula, amplia as exigências de atuação do professor, que precisa dominar todos os recursos e operar câmeras e microfones para que ocorra a comunicação com os alunos e, por conseqüência, a aprendizagem (CRUZ, 2010, p. 59).

Essa comunicação direta, ao vivo, é vista como grande diferencial neste modelo pelos coordenadores deste modelo de tele-aula. Os alunos gostam de sentir o contato com o professor ao vivo, enviar-lhe perguntas, sentir-se incluídos, mesmo que esporadicamente. Os alunos gostam desse contato com o professor, de saber-se citados, ver-se representados. Há uma certa mitificação do professor, os alunos os vêem como atores de TV. Tenho observado que professores, inicialmente resistentes a esse modelo, com a prática mudam de opinião, sentem-se confortáveis, porque a tele-aula reforça e amplia o seu papel de transmissor da informação e cria essa aura de visibilidade conferida por aparecer na TV (MORAN, 2009, p. 288).

(...) Nela, o professor se depara com uma variedade de tarefas a cumprir num ambiente essencialmente artificial, cibernético, onde o contato humano se dá apenas através dos instrumentos (CRUZ, 2001, p. 65).

(...) a) baixa qualidade de som e imagem; b)dificuldade de adaptar a sala da videoconferência para a situação didática; c) custos relativamente altos de implementação, instalação e manutenção do equipamento no período inicial; d) custos relativamente altos de transmissão; e) desconhecimento do potencial didático do equipamento, reduzindo seu uso apenas à reprodução de palestras, com pouca interação entre os participantes (CRUZ, 2001, p. 78)

Para se tornar um professor comunicador, precisa desenvolver competências de uma nova linguagem midiática para adequar-se às características do meio televisão e ao mesmo tempo, tornar-se um produtor/usuário/mediador. Se na escola tradicional ele pode escolher “enriquecer” sua aula com a incorporação da nova lógica que a mídiatraz, na educação a distância por videoconferência ele está “imerso” no meio televisivo.Professores e alunos se encontram numa relação mediatizada, virtualizada, no sentidoem que não mais repartem o mesmo espaço físico e sim um outro local“fantasmagórico”, no dizer de Giddens (1991, p. 141). Este lugar é virtual, pois permitea interação ao mesmo tempo presencial (onde de fato estão os participantes, em suassalas audiovisuais, tácteis e olfativas) e midiática (onde a comunicação é audiovisual, nociberespaço, ou seja, acontece na interface) (CRUZ, 2001, p. 66)

Downloads

Publicado

2015-08-09

Como Citar

alberti comparin, alberti do rocio. (2015). Trabalho Docente na Educação a Distância: reflexões que o professor conferencista faz sobre o seu processo de trabalho. Horizontes, 33(1). https://doi.org/10.24933/horizontes.v33i1.84